Zippy mantém posição no top da moda infantil

Zippy [©Zippy]

O estudo, promovido pela Modaes, com o patrocínio da operadora logística Logwin, atualiza a lista dos operadores mais importantes do mundo na moda de criança em 2024. O momento, refere a publicação espanhola, é negativo, refletindo-se nas contas das poucas grandes empresas deste segmento que oferecem dados atualizados sobre a evolução dos seus negócios.

Em conjunto, o volume de negócios agregado dos dez titãs deste segmento manteve-se abaixo dos 8,7 mil milhões de euros, com uma queda de 2,4% provocada pela redução nas vendas da Carter’s, número um neste segmento, e da The Children’s Place, número três na classificação. A chinesa Semir, número dois do sector a nível mundial, foi a única que cresceu (+2,5%).

A Modaes sublinha que, com dados não atualizados na maioria dos casos (nomeadamente devido à opacidade das empresas francesas presentes no ranking), não houve alterações na classificação relativamente à edição anterior do estudo.

A portuguesa Zippy ocupa o 10.º lugar, o mesmo que ocupou em 2023. «O grupo de moda infantil Zippy, propriedade da gigante portuguesa Sonae através da sua divisão Zeitreel, é uma das empresas mais poderosas do sector da moda infantil, embora a sua magnitude económica seja desconhecida», descreve a Modaes. «No ano da pandemia, a empresa integrou a estrutura da marca espanhola Losan, também marca de moda infantil, e transferiu todas as operações para Portugal», acrescenta.

O primeiro lugar, que também se mantém face a 2023, pertence à americana Carter’s, apesar da descida das vendas, que a empresa justifica com «efeitos persistentes que a inflação tem nas famílias com crianças pequenas», uma situação que terá melhorado no final do ano. Os números revelam uma descida de 8% no volume de faturação da Carter’s em 2023, em comparação com os mais de 3,2 mil milhões de dólares de 2022.

A gigante chinesa Semir, que em 2018 se tornou uma das maiores operadoras do mundo com a compra da francesa Kidiliz e das suas quinze marcas, continua a ser a segunda maior operadora mundial de moda infantil. A empresa, cujo fundador é membro do Congresso Nacional do Partido Comunista da China, aumentou as vendas em 2,5% em 2023.

O terceiro lugar é ocupado pela Children’s Place, que em 2024 registou uma mudança na direção, com a nomeação de Muhammad Umair como novo presidente e CEO interino. No último ano fiscal, a marca registou uma queda de 6,2% das vendas.

O grupo francês ÏD Kids surge no quarto lugar, apesar de não fornecer dados atualizados sobre o seu volume de negócios. «No entanto, a empresa continua a crescer em mercados como Espanha: a empresa tinha vinte inaugurações previstas em 2023, incluindo a aquisição da antiga rede de lojas Canada House. Em Espanha, a empresa alcançou um volume de negócios de 22 milhões de euros em 2019», sublinha a Modaes.

A Orchestra ocupa o quinto lugar, seguida da espanhola Mayoral, no sexto lugar, que encerrou 2023 com um volume de negócios de 400 milhões de euros, um valor semelhante ao registado no ano anterior.

A britânica Mothercare (no sétimo lugar e um volume de negócios em 2022 de 322,7 milhões de libras) e as francesas CWF (no oitavo lugar) e Petit Bateau (no nono lugar) completam este top 10.