Fibras sustentáveis a partir de resíduos agrícolas

Lançado pela Fashion for Good e vários parceiros, o Untapped Agricultural Waste Project pretende validar e escalar tecnologias que possam transformar com sucesso resíduos agrícolas, como casca de arroz, palha de trigo, cânhamo, banana e ananás, em fibras têxteis sustentáveis.

[©Unsplash/Karthik S]

Financiado pela Laudes Foundation, o projeto, de que fazem parte a Fashion for Good, a adidas, a Bestseller, a Vivobarefoot e a Birla Cellulose, avaliará a viabilidade técnica de fibras naturais criadas por seis inovadores selecionados a partir de resíduos agrícolas, como casca de arroz, cânhamo, palha de trigo, banana e ananás.

Com uma duração prevista de 18 meses, o Untapped Agricultural Waste Project (que em português significa projeto de resíduos agrícolas não explorados) conta com o conhecimento das especialistas em inovação em fibras AltMat, Bananatex, Chlorohemp, Agraloop by Circular Systems, HempTex India e 9Fiber, que desenvolverão uma variedade de diferentes fibras naturais e misturas de fibras, tendo como meta testar a maior percentagem de resíduos agrícolas, ao mesmo tempo que alcançam as exigências de performance. A Birla Cellulose trabalhará em estreita colaboração com estes seis inovadores na preparação e desenvolvimento de novos materiais, para uma adoção mais ampla na cadeia de aprovisionamento da moda, com as marcas parceiras do projeto a darem apoio em termos de testes e eventual crescimento, em termos de escala, da produção dessas fibras.

A primeira fase do projeto termina em dezembro de 2022, avançando depois para uma segunda etapa que passará por testar as fibras de resíduos agrícolas selecionadas em unidades comerciais para gerar maiores volumes. No final, o objetivo é possibilitar o estabelecimento de mais acordos com marcas e conseguir financiamento para facilitar o crescimento em escala.

[©Unsplash/Tadeu Jnr]
«Este projeto ambicioso explora uma nova fonte de matérias-primas para a indústria da moda que, se ganhar escala, ajudará a levar a agricultura e a indústria têxtil para [emissões líquidas] zero. Vemos um grande potencial para esses vários fluxos de resíduos agrícolas que, de outra forma, teriam poucas utilizações secundárias. Ao aplicar tecnologias inovadoras para desenvolver fibras naturais, podemos diminuir a pressão sobre as fibras naturais existentes e afastar-nos de materiais e fontes insustentáveis», sublinha Katrin Ley, diretora da Fashion for Good.

Oportunidades para o Oriente

O Untapped Agricultural Waste Project também aproveita as descobertas do estudo de 2021 Spinning Future Threads, do Institute for Sustainable Communities, do World Resources Institute India e da Wageningen University and Research, que mapeia os resíduos agrícolas em oito países do sul e sudeste da Ásia, identificando as oportunidades inexploradas nos fluxos de resíduos agrícolas, incluindo casca de arroz, palha de trigo, banana e produção de abacaxi, que são o foco deste projeto.

De acordo com a Fashion for Good, os resíduos agrícolas representam desafios significativos para os agricultores no sul e sudeste da Ásia e, em muitos casos, não são reaproveitados e muitas vezes são queimados. Só na Índia são queimados até 92 milhões de toneladas de resíduos agrícolas, o que em 2017 resultou em aproximadamente 149 milhões de toneladas de CO2. Ao mesmo tempo, a extração e o processamento de fibras convencionais virgens, como algodão e poliéster, são responsáveis ​​por até 39% das emissões de gases de efeito estufa na cadeia de aprovisionamento têxtil, como revela o recente relatório Unlocking the Trillion-Dollar Fashion Fashion Decarbonisation Opportunity. A inovação em matérias-primas é, por isso, segundo a Fashion for Good, essencial para reduzir essas emissões.

O anúncio deste projeto segue-se à comunicação de uma outra iniciativa da Fashion for Good para validar e escalar pigmentos pretos feitos a partir de resíduos agrícolas que podem vir a substituir os corantes sintéticos no tingimento têxtil.

[©Unsplash/Vijay S]