Zara revela casaco de monomaterial 100% reciclado

A marca da Inditex apresentou um casaco de loopamid, uma poliamida 6 produzida pela BASF a partir da reciclagem de resíduos têxteis, dando mais um passo para atingir os seus objetivos de sustentabilidade.

[©Inditex]

A loopamid, como é chamada a matéria-prima usada neste casaco, é produzida com uma tecnologia desenvolvida pela empresa alemã que é capaz de «tolerar todas as misturas de fibras, como poliamida 6 e elastano», refere a BASF em comunicado. Dessa forma, permite reciclar resíduos pós-industriais e pós-consumo e as fibras podem ser recicladas «múltiplos ciclos», garantindo características semelhantes às da poliamida virgem.

«A BASF alcançou um marco importante ao ser pioneira numa abordagem para fechar o ciclo dos têxteis de poliamida», afirma Ramkumar Dhruva, presidente da divisão de monómeros da BASF. «A nossa loopamid tem o potencial de revolucionar o mercado de poliamida 6 para melhor. Estamos num processo de escalar a nossa tecnologia para servir os nossos clientes com quantidades comerciais. O casaco-cápsula produzido em conjunto com a Inditex é a prova de que a circularidade é possível e estamos ansiosos para impulsionar ainda mais a transformação sustentável da indústria têxtil», acrescenta.

Para além de usar o novo polímero, o casaco da Zara tem igualmente em conta o design para a circularidade, com todos os componentes – incluindo o tecido, botões, enchimento, o velcro e o fecho – a serem feitos com loopamid.

O ModaRe, o programa de recolha de vestuário usado operado pela Caritas, classificou, separou e forneceu têxteis descartados como matéria-prima e o RadiciGroup tem trabalhado para transformar a loopamid em vários tipos de fios com características diferentes. Empresas como a YKK, a Uniter, a Tessitura Vignetta, a Freudenberg e a Gütermann também participaram no projeto, nomeadamente no desenvolvimento dos acessórios e linhas de costura.

«Esta colaboração é um excelente exemplo de como, em conjunto, podemos utilizar a nova tecnologia para transformar resíduos têxteis num novo recurso», considera Javier Losada, diretor de sustentabilidade da Inditex. «Este projeto é também um primeiro passo para avançar em direção a uma solução circular, uma vez que a indústria ainda precisa de impulsionar novas capacidades de recolha e reciclagem, a fim de fechar o ciclo e escalar a reciclagem de resíduos pós-consumo», sublinha.

Tanto a BASF como a Inditex têm metas ambiciosas de sustentabilidade. Até 2030, a BASF pretende duplicar as vendas realizadas com soluções para a economia circular para 17 mil milhões de euros. Para conseguir isso, a empresa está a concentrar-se em três áreas de ação: matérias-primas circulares, novos ciclos de materiais e novos modelos de negócios.

Já a Inditex pretende que 100% dos seus produtos têxteis sejam feitos exclusivamente de materiais com menor pegada ambiental até 2030. Como parte deste compromisso, o grupo aponta para que 25% das fibras têxteis que utiliza sejam feitas de materiais da próxima geração que não ainda existem à escala industrial, 40% de materiais reciclados convencionais e 25% de fibras orgânicas e regenerativas.