Wal-Mart quer comprar mais têxteis à China

Um executivo da Wal-Mart afirmou que o gigante do retalho planeia comprar mais têxteis e vestuário à China durante os próximos cinco anos, assim que as quotas de restrição sejam levantadas. Cui Renfu, presidente da Wal-Mart internacional, disse ao jornal Asianinfo Daily China News, que o retalhista planeia obter mais têxteis da China no futuro, do que o que possui actualmente. Renfu revelou ainda que dos actuais produtos têxteis da Wal-Mart, 80% das matérias-primas vêm da China. No entanto, e devido às quotas de restrição, a empresa tem de importar esses materiais de outros países. Acrescentou ainda que a Wal-Mart transferiu recentemente todas as suas encomendas com um volume de vendas anual de 217 mil milhões de euros, para a sua sede global em Schenzhen no sentido de fazer directamente as encomendas aos fornecedores. Renfo afirmou também que o retalhista pode durante o segundo trimestre do ano, mudar-se da sua sede em Shangai, onde está a montar um centro de mediação.