Vestidos para iluminar

A necessidade de uma superfície extensa e regular que pudesse efectivamente ser usada em filme originou o desenvolvimento do Lume, um resplandecente tecido revestido de LEDs (Díodos Emissores de Luz), caracterizado por uma excepcional leveza e que oferece segurança e luz sob uma forma versátil e singular. Deste modo, o Lume revela-se como uma excelente oportunidade para os designers, gestores de produto e arquitectos desenvolverem novas formas de iluminação. Ao contrário da luz tradicional, que é fixa, frágil e quente, o tecido Lume é extremamente durável, fresco e pode ser tocado, esticado, torcido, franzido, enrolado e costurado à vontade do cliente, numa variedade de aplicações. Pode suspender-se milagrosamente, colocar-se em qualquer superfície interior e customizar-se em termos de forma, tamanho e acabamentos, assim como ao nível da densidade do LED, padrão, estrutura, cor e programação. Graças à portatibilidade e adaptabilidade, as possibilidades de aplicação são apenas limitadas pelo estado de arte da própria tecnologia LED, e embora o primeiro interesse tenha vindo do sector da decoração de interiores, há muitas outras aplicações. O Lume foi desenvolvido por equipa de design cujos membros são originários de diferentes pontos do globo – Cambridge, Nova Iorque e Montreal – constituída pela estudante de arquitectura do MIT Talia Dorsey, o realizador de filmes Joshua Dorsey, o presidente da Divalli Lighting Eran Plonski e o investigador do Media Lab do MIT Matthew Laibowitz. Dorsey e Plonski encetaram as investigações nos LEDs sob a forma de tecido com o objectivo de criar, tal como já foi referido, uma vasta e uniforme superfície luminosa a ser usada em filme. «Tratava-se de um amplo conceito de design, para o qual rapidamente nos apercebemos da necessidade de uma equipa multidisciplinar», explica Joshua Dorsey. «Muito do trabalho levado a cabo com LEDs consistiu na substituição da lâmpada eléctrica – ninguém os utiliza como motor de um novo paradigma em iluminação». Usualmente, os tecidos Lume são produzidos a partir de poliéster retardador de chama, mas a equipa tem vindo a realizar experiências com uma variedade de tecidos “mutantes” em função da aplicação. Eventualmente, o objectivo é a sua venda ao metro para que, independentemente do comprimento, qualquer um possa operar o sistema de gestão de energia. O uso de alguns dos LEDs mais luminosos do mercado foi o meio encontrado pela equipa para que o Lume se distinguisse entre os seus pares. «Muita gente aborda este tipo de tecido unicamente sob o ponto de vista decorativo», revela Dorsey. «No nosso caso, trata-se de um verdadeiro forma de substituição da iluminação Neste âmbito, o Light Patch – um pedaço de tecido que pode ser suspenso ou fixado numa superfície e depois removido quando necessário, tal como um sinal luminoso plano – constitui uma forma de produto que responde a uma problema universal: a iluminação de espaços reduzidos». Um painel individual de tecido Lume pode atingir as dimensões de cerca de 3 metros de largura por 9 de comprimento. Para aplicações mais vastas, é possível unir vários painéis sem a realização de qualquer costura. A sua finura pode chegar até pouco mais de um centímetro (descomprimido) e a sua espessura até vários centímetros, dependendo da qualidade de luz desejada, voluminosidade e performance acústica e isoladora. Pode também ser cortado em praticamente qualquer padrão, assim como costurado para criar formas tridimensionais. As densidades de iluminação são variáveis e a luminosidade inclui desde o detalhe decorativo até uma verdadeira fonte de luz. O controlo da luminosidade pode ser efectuado através de reguladores manuais ou temporizadores. Os LEDs integrados nos tecidos Lume apresentam desde uma gama de tonalidades brancas – de quente a fria – até uma multiplicidade de cores. Além do mais, pode-se usar a combinação VVA (vermelho/verde/azul) para obter qualquer tom do espectro. O uso de tecidos coloridos constitui também um método alternativo para obter-se o efeito de cor desejado. O conjunto de LEDs incorporados no tecido pode ser configurado de modo a criar qualquer padrão, forma ou marcação (palavras, logótipos, etc.). Os padrões podem também ser obtidos através da combinação de diferentes cores de LEDs ou por programação na sua matriz com o objectivo de criar uma variedade de efeitos visuais e de movimento. As soluções VVA permitem o controlo regulável ou completo da cor do sistema de iluminação. O conjunto é completamente programável, e esta pode ser tão simples como uma luminosidade fosca ou tão complexa como a de um ecrã dinâmico. Entre as suas mais recentes aplicações, os tecidos Lume vestiram a loja da Calvin Klein em Nova Iorque e o Centro de Arquitectura da mesma cidade.