Vale do Ave reclama ser compensado

Castro Fernandes, presidente da Associação de Municípios do Vale do Ave (Amave), quer que o Governo dê sinais claros que quer investir na região, e que seja compensada pelo contributo que deus ao país durante muitos anos. Segundo o jornal diário gratuito Destak, o presidente da Amave admite que a região atravessa agora a maior crise de sempre – com o Centro de Emprego a apontar a taxa de desemprego da região para 20% –, agravada nos últimos anos pela abertura aos mercados do leste inicialmente, seguida posteriormente pelo primeiro ano de liberalização. Para o presidente, a região que já representou cerca de 30% das exportações nacionais, e que actualmente desceu para 17%, «merece agora ser compensada». Sobretudo quando o sector têxtil continua a ser fundamental para o futuro da região, acrescenta, apelando a que o Governo realize aqui significativos investimentos». E como «o que gera emprego é a indústria», Castro Fernandes sugere que o Governo envolva a região e a sua indústria no Plano Tecnológico, canalizando investimentos na área das novas tecnologias, de forma a ultrapassar a crise. A Amave também pretende a instalação do Instituto Ibérico de Investigação e Desenvolvimento no Parque Tecnológico das Taipas. O Vale do Ave é o terceiro maior núcleo populacional de Portugal, com 510 mil pessoas.