Under Armour recorre a alternativa ao elastano

Integrada numa parceria com a Celanese Corporation, a retalhista americana desenvolveu uma fibra que vai facilitar a reciclagem de têxteis com elasticidade no fim de vida dos produtos.

[©Under Armour]

As fibras Neolast caracterizam-se, segundo as duas empresas, por uma elevada elasticidade, durabilidade, conforto e absorção e são produzidas usando um processo desenvolvido internamente de extrusão por fusão sem solvente, eliminando a necessidade de produtos químicos potencialmente perigosos que são habitualmente usados ​​no caso do elastano.

As fibras são baseadas em polímeros de elastoéster recicláveis ​​que respondem ao desafio de reciclar misturas com elastano. À medida que os utilizadores finais avançam na economia mais circular, a Celanese e a Under Armour estão a explorar o potencial das fibras para melhorar a compatibilidade dos têxteis com elasticidade com futuros sistemas e infraestruturas de reciclagem.

«Trabalhar com uma marca líder mundial como a Under Armour para elevar os benefícios de desempenho e sustentabilidade dos seus produtos é apenas a primeira de muitas grandes coisas que esperamos alcançar com esta tecnologia Neolast», revela Tom Kelly, vice-presidente sénior de engenharia de materiais da Celanese. «Estamos apenas a começar a desbloquear o seu potencial e estamos ansiosos pelo que está por vir, à medida que exploramos outras oportunidades com os utilizadores finais», adianta.

«Esta nova fibra Neolast representa uma inovação transformadora para a Under Armour e para a indústria têxtil», acredita Kyle Blakely, vice-presidente sénior de inovação da Under Armour. «Através da sustentabilidade e inovação orientadas para o desempenho, esperamos ajudar os atletas a estar no seu melhor, ao mesmo tempo que trabalhamos com a Celanese para concretizar o potencial da nova fibra para abrir caminho em direção à circularidade», acrescenta.

Além dos benefícios ao nível da sustentabilidade, as empresas afirmam que as fibras Neolast oferecem uma maior precisão na produção, permitindo que o nível de elasticidade seja aumentado ou diminuído na fiação, ao mesmo tempo que podem ser adaptadas para responder às necessidades específicas do têxtil.