Um futuro promissor

O Salão Internacional de Lingerie (SIL), que decorreu em Paris de 2 a 5 de Fevereiro, recebeu um total de 22.784 visitantes, dos quais 11.315 eram estrangeiros. Em relação à edição homóloga de 2005, o decréscimo registado é cerca de 5,1%. Este valor foi justificado pela organização da SIL com a redução no número dos retalhistas franceses e belgas, especialmente os mais pequenos, e também devido à redução das equipas individuais enviadas pelas empresas. Três expositores nacionais, a Impetus, a Helix (Simel e Rêverie) e a Owono, estiveram presentes. A Impetus apresentou a sua colecção Outono/Inverno 2006.07 segmentada em três grandes grupos: Natural, Active e Trendy. Cada um deles apresenta características próprias e bem definidas, e todos aptos a abraçar as exigências e gostos refinados dos actuais e futuros clientes Impetus. Como explicou André Rodrigues, gestor do produto da marca Impetus, ao Jornal têxtil (JT), o homem Impetus «é um indivíduo refinado, elegante e activo, numa faixa etária entre os 20 e os 50, que aprecia as coisas melhores da vida, gosta de se sentir bem e ter bom aspecto. Quanto à mulher Impetus, tem consciência da moda e gosta de vestir os estilos mais recentes, tem entre 20 e 40 anos e está sempre atenta à possibilidade de fazer uma boa compra». Aquela que é hoje uma das maiores marcas mundiais de roupa interior primou por uma imagem global ainda mais trabalhada, pautada por uma comunicação integrada, desde o produto à embalagem, sem esquecer os catálogos. O gestor do produto acrescenta ainda que «esta edição da SIL correu muito bem, embora tenha notado que a feira, em geral, teve um decréscimo de visitantes. Continuamos em franco crescimento no mercado francês, onde dispomos de uma força de trabalho de 14 pessoas e de uma presença em mais de 400 pontos de venda». Ao nível mundial, a Impetus está presente actualmente em mais de 3 mil pontos de venda, tendo vindo a registar elevadas taxas de crescimento nos mercados dos países de Leste, em especial na Rússia, e asiáticos, nomeadamente na China e no Japão. Segundo Andreia Carvalheiro, da Helix, «a empresa assume a sua presença em feiras como um meio de divulgação e promoção dos seus produtos, bem como a oportunidade de aumentar e fidelizar a relação com os clientes internos e externos, pela possibilidade de atendimento personalizado no stand. Este ano, pela primeira vez, participamos no SIL com duas das nossas marcas: Rêverie e Simel». A responsável de comunicação da empresa destaca na Rêverie uma colecção técnica, mas ao mesmo tempo feminina, que tem como objectivo conjugar a qualidade das matérias-primas com o conforto e elegância. «Na paleta de cores acrescentámos o amarelo e a menta, cores suaves que prometem deliciar nesta estação». Para a Simel destaca uma colecção «cheia de novidades», onde a proposta assenta numa série de linhas que se pretendem modernas e simples, cómodas e com excelente relação qualidade-preço. «Linhas em algodão, estampados em puff, copa triangular push up com aro e sem aro, modelos bastante estruturados e contraste dos padrões de flores com riscas foram as nossas propostas apresentadas em Paris». Quanto à participação da Helix neste salão, Andreia Carvalheiro adiantou que «tendo em conta que era primeira vez, estávamos completamente expectantes, mas o resultado revelou-se bastante positivo, sendo mesmo uma surpresa, uma vez que tivemos mais contactos do que aqueles que estávamos à espera. Com a nossa presença nesta feira conseguimos contactos bastante diversificados, com por exemplo: México, Líbano, Israel, Mali, Qatar e Islândia. Consideramos que grande parte destes apresentam um grande potencial, que agora estamos a desenvolver e a trabalhar. Tivemos ainda a oportunidade de rever e sedimentar algumas relações estabelecidas na nossa participação em Lyon, em Setembro do ano transacto». Terminou, mostrando intenção da Helix em voltar a participar no próximo ano, «mas ainda este ano vamos estar no Modtíssimo, que é já de 7 a 8 de Março, no Porto, e no Lyon – Mode City, com datas marcadas para de 2 a 4 de Setembro. Em paralelo, mas que teve lugar de 2 a 4 de Fevereiro, no Interfilière (IFL) foram registados um total de 14.778 visitantes, com 8.407 estrangeiros, o que revela um decréscimo de 9,2% relativamente à edição de Janeiro de 2005, devido, segundo a organização ao calendário tardio para a compra das matérias-primas. No IFL, Portugal esteve representado pelas empresas JPC Elásticos e Fernando Valente. Nuno Valente, administrador do Fernando Valente, em declarações ao JT, mostrou-se satisfeito com esta segunda presença da sua empresa no salão parisiense, embora confesse uma certa predilecção pela edição de Lyon. «Tenho que realçar a nossa excelente localização nesta edição, junto a um dos corredores centrais», sublinha. O administrador da empresa destacou ainda «a visita de todos os contactos efectuados no ano transacto, alguns dos quais repetiram encomendas no local». Numa vasta panóplia de produtos, que a empresa especialista em malhas de teia apresentou na cidade Luz, estiveram em especial evidência as malhas com jogos finos e em microfibras. «Cada vez se dá mais valor ao toque», afirma Nuno Valente. Sobre a participação da JPC Elásticos, José António Gonçalves, administrador da empresa considerou-a francamente positiva «apesar de algum decréscimo no número de expositores e de visitantes, neste último caso devido a um calendário coincidente com férias escolares. Também foi notório que os visitantes demonstraram uma atitude mais focalizada, quer quanto às tendências e às características das suas colecções, quer quanto às suas expectativas comerciais. No entanto, continuaram a solicitar variedade, prestando atenção aos factores de diferenciação e de inovação aplicada ao produto». Falando do interesse para a empresa da participação na IFL, José António Gonçalves afirmou que «a IFL é um salão que reúne os principais intervenientes do sector da moda íntima na Europa, um salão vocacionado para clientes e negócios. Assim, temos a possibilidade de servir os nossos clientes, reforçar as relações de incubação de negócio e, naturalmente, de atender clientes potenciais. Para todos eles, o departamento de desenvolvimento de amostras têm vindo a realizar um enorme esforço de resposta às suas solicitações. Verificámos que os nossos catálogos temáticos “colours vibrations” e “happy reasons”, incluindo novas criações conjugadas com a palete de cores para a estação Primavera/Verão, bem como os artigos estampados, que foram lançados precisamente neste certame, atraíram muitas atenções pela qualidade e diversidade apresentadas. Também lançámos nesta edição um catálogo electrónico, bem como uma apresentação multimédia da nossa empresa, concitando, que consideraram estas ferramentas como uma plataforma cómoda e ágil na sua relação de trabalho connosco». Por todas estas razões, a JPC Elásticos vai continuar a participar anualmente no IFL, na edição de Paris e de Lyon, a que se juntará a participação no próximo Modtíssimo, a decorrer de 7 a 8 de Março, na sua nova “casa”, o edifício da Alfândega, no Porto. Apenas uma nota final: os expositores destacaram a qualidade dos visitantes e dos contactos efectuados, apontando o decréscimo, comum aos dois salões, como um possível início da alteração do modelo de negócio, que deixa antever, apesar dos números, um futuro promissor.