Trocas comerciais entre PALOP e China aumentaram 26,9%

Em 2005, as trocas comerciais entre os países da língua portuguesa (PALOP) e a China aumentaram 26,9% em relação ao ano anterior, ascendendo aos 19 mil milhões de euros, divulgou o secretário-geral do Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os países de língua portuguesa, conforme foi noticiado pelo Diário Digital. «As trocas comerciais em 2005 chegaram aos 23.190 milhões de dólares (19.184 milhões de euros), o que representa um aumento de 26,9% em relação a 2004», revelou Wang Chen An, à margem do 2º encontro de empresários para a cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, que decorreu em Lisboa no dia 10 de Abril. Wang Chen An realçou a importância das relações bilaterais entre Portugal e a China e afirmou que esta cooperação económico-comercial pode servir para «construir uma plataforma para oportunidades de negócios». O secretário-geral do Fórum assegurou ainda que os bons resultados obtidos a nível de trocas comerciais foram possíveis devido a um «esforço comum» e afirmou que na cooperação «há mais áreas a explorar e muito trabalho para fazer». Carlos Pacheco, representante do ICEP (Instituto de Comércio Externo de Portugal), realçou a importância da dinamização das relações económicas e comerciais entre Portugal e a China, bem como com os países de língua portuguesa e com Macau. «No ano passado, as exportações de Portugal para a China aumentaram 68,8% e em Janeiro deste ano aumentaram 110%, em comparação com o mesmo período do ano passado», referiu Carlos Pacheco. Em 2005 verificou-se igualmente um aumento nos investimentos bilaterais, com Portugal a investir 247 milhões de euros na China. Também o secretário de Estado do Comércio e da Defesa do Consumidor, Fernando Pereira Serrasqueiro, relembrou que o governo português está empenhado em garantir o sucesso das estruturas nacionais no estrangeiro e apoia a dinamização da internacionalização das empresas portuguesas no estrangeiro. Em relação ao mercado chinês, Serrasqueiro frisou que «dentro de cinco anos a China será o maior exportador mundial, ultrapassando a França e os EUA», daí a relevância da parceria estratégica com a China. O secretário de Estado defendeu ainda o compromisso do estado português com a lusofonia e a cooperação com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) devido às relações históricas e culturais. O Fórum para a cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa (Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor Leste) existe desde 2003 com o objectivo de promover as trocas comerciais e os investimentos bilaterais.