Tommy Hilfiger com boa cara

A Tommy Hilfiger já revelou os resultados do último ano fiscal, onde as vendas totais do grupo aumentaram 21%, para os 1,6 mil milhões de euros, e as vendas a retalho atingiram os 3,4 mil milhões de euros. O crescimento das vendas no mercado por grosso foi de 16% e o das de retalho 29%, impulsionado pelo crescimento orgânico, pela abertura de novas lojas e pelo recém-adquirido negócio de calçado no Japão e na Europa (12% do total de 21% de crescimento). Apesar da pressão nas margens no segundo semestre do ano, o lucro Ebidta foi igual ao do exercício anterior, com 270 milhões de euros, segundo anunciou a empresa. Fred Gehring, director-executivo, afirmou que tal como toda a gente, enfrentamos a nova realidade económica com um maior foco no inventário, nos custos e na liquidez, mas estamos mais do que satisfeitos, porque apesar das circunstâncias económicas actuais, sem precedentes, fomos capazes de manter o nosso padrão de crescimento no segundo semestre do ano, embora a um nível muito mais controlado». Gehring acrescentou ainda que acreditamos que este é um verdadeiro testemunho da incrível força mundial da marca Tommy Hilfiger, das nossas pessoas e do nosso modelo de negócios equilibrado». Para o ano fiscal que agora se inicia, esperamos que também seja difícil, mas estamos centrados nas oportunidades e encetamos um número significativo de ajustamentos organizacionais para que, ao longo do ano, nos tornemos numa organização mais eficiente. Vamos continuar a procurar novas oportunidades de expansão em diferentes categorias de produtos, geografias e no portefólio das lojas, o que nos permite antecipar um crescimento contínuo», garantiu o director-executivo. Na Europa, as vendas totais aumentaram 14%, para os 795 milhões de euros. As operações de vendas por grosso registaram o maior aumento, com o crescimento contínuo em todas as regiões e grupos de produtos, assim como com a inclusão das vendas de calçado no Velho Continente. O negócio de retalho registou um crescimento comparável de 1,3%. Na América do Norte, as vendas totais aumentaram 10%, para os 898 milhões de dólares (636 milhões de euros). O crescimento das vendas totais de retalho atingiu os 10%. Noutras localizações, a empresa revelou que as vendas no Japão se desenvolveram de acordo com o planeado e estão a contribuir significativamente para o crescimento generalizado da Tommy Hilfiger. Além disso, todos os nossos parceiros de licença na América Central e do Sul, assim como no resto da ásia, mostraram taxas de crescimento (de um dígito) altas», revelou a empresa, acrescentando ainda que foram abertas um total de 100 novas lojas no ano, elevando o portefólio de lojas para 900. Olhando para o futuro, o grupo Tommy Hilfiger acredita que o clima económico mundial mantém-se difícil e nós, juntamente com muitos retalhistas internacionais, experimentamos difíceis condições de mercado. No entanto, os dados iniciais mostram que, após um começo difícil na estação da Primavera, Abril registou um comércio mais forte e sobretudo o mercado europeu mostrou uma forte recuperação por altura da Páscoa», concluiu Fred Gehring.