The king of Fixe

Nuno Gama assegura que não encomendou o local e ainda menos o forte cheiro a peixe que se sentia durante o seu desfile na ModaLisboa no passado dia 9 de Outubro. Com ou sem bênção divina, "Desejo A-Mar", o mote da nova colecção que recria o universo dos pescadores da Nazaré, não poderia ter encontrado melhor passerelle. «A minha essência é esta: a Nazaré, a Póvoa, a minha Arrábida, o Porto onde estudei, a minha família, os meus amigos. Eu posso falar bem outras línguas, mas jamais vou falar outra como esta», explica. Aliás, Nuno Gama brinca com a sua língua materna como nenhum outro criador. “The King of Fixe” e “Portugama” são mais duas expressões impressas nesta colecção que vão juntar-se ao já extenso e rico “Diciogama”. Para além das influências da cultura e idioma do seu país, algo recorrente em Nuno Gama, o criador afirmou ter-se sentido fascinado pela sua recente viagem «ao Médio Oriente», cujas tradições também acabaram por inspirar as suas propostas para a Primavera/Verão 2011. «Descobri que, afinal, aquela gente tão diferente é, ao mesmo tempo, tão igual a nós: também choram, riem, têm família, têm crianças, têm sonhos, odeiam guerra, odeiam ser descriminados,… Descobrir isso deu-me uma energia óptima», conta Nuno Gama. «Quando regressei, queria transmitir isso às pessoas, queria também usar aquelas calças, e ao mesmo tempo não fazia sentido porque aquilo era demasiado artesanal, era demasiado deles. Então porque não transpor um bocado as coisas: se aquela calça é confortável, se é easywear, porque é que eu não posso fazer aquilo numa vertente completamente diferente e desvirtuar um bocadinho o fato habitual subvertê-lo com uma influência do Médio Oriente e a partir daí as coisas começaram a acontecer». Estas calças, com jogos de oposição de volumes, são, de resto, uma das peças-chave da nova colecção de Nuno Gama para a próxima estação quente, apesar do criador ter dificuldade em nomear uma só peça. «O casaco que apresentei no final, para as pessoas aquilo é um casaco, para quem o fez aquilo é uma obra-prima – modelar aquele casaco, fazê-lo à mão como ele está construído e acabado, vai ficar na história da minha alfaiataria. Acho também imensa piada à gravata que também é cinto. Adoro igualmente os gorros, acho que fazem os rostos super-bonitos. Adoro as chinelas, são hiper-confortáveis… Mesmo os produtos mais básicos, têm um toque diferente», afirma. A parte gráfica, da autoria de Pedro Zamith, é outro ponto forte desta colecção de Nuno Gama, «São grafismos muito “Tarantino”, porque misturam de muitas coisas, sublinha Gama. Acima de tudo é uma colecção de moda masculina muiticultural, com lifestyle e de forte impacto visual. «É uma colecção Nuno Gama, acho que mais ninguém a faria», conclui o criador de moda.