Têxtil e vestuário a diferentes velocidades na UE

Os dados mais recentes analisados pela Euratex dão conta de inclinações diferentes nos dois sectores no segundo trimestre, com o vestuário a registar uma tendência de subida, enquanto o têxtil enfrenta uma deterioração do negócio.

Na variação em cadeia, e de acordo com os dados recolhidos pela Euratex, os volumes de produção, assim como o volume de negócios, registaram no segundo trimestre uma subida na indústria de vestuário, enquanto os indicadores revelam uma deterioração da performance no sector têxtil, depois do que a Euratex descreve como «difíceis condições de mercado consistentes».

O índice do volume de negócios – que tem por base o último trimestre de 2019, o último antes da pandemia – na indústria de vestuário tem vindo a subir e a registar valores positivos desde o segundo trimestre de 2022, situando-se no segundo trimestre de 2023 em 119.

Já o mesmo índice para a indústria têxtil regista 113,9 no segundo semestre deste ano, um valor positivo, mas que evidencia uma tendência de queda ligeira que se tem vindo a sentir desde o terceiro trimestre de 2022.

«As exportações da UE deterioraram-se em toda a cadeia de valor, demonstrando procura externa insuficiente», realça a Euratex, acrescentando que também que a evolução do mercado laboral é «negativa em ambos os sectores, com a falta de mão de obra a tornar-se um grande problema na área produtiva». Juntamente com a redução da procura e o aumento dos custos, estes são «grandes desafios que as empresas estão a enfrentar», sublinha a confederação.

A Euratex dá ainda conta que, em termos gerais, e segundo dados da Comissão Europeia, a atividade económica na UE abrandou no primeiro semestre deste ano devido aos vários choques sofridos na região. «A debilidade na procura interna, em particular do consumo, mostra que os preços no consumidor elevados e ainda a aumentar para a maior parte dos bens e serviços estão a ter um efeito pior do que o esperado nas previsões da primavera da Comissão Europeia. Isto apesar da queda dos preços da energia e de um mercado laboral excecionalmente forte, com o aumento contínuo do emprego e a subida dos salários», refere.

A confiança dos empresários da indústria têxtil e de vestuário está, por isso, a cair, o que sugere que «a atividade económica vai contrair no terceiro trimestre de 2023», aponta a Euratex.

O indicador de confiança no negócio na UE para os próximos meses enfraqueceu em setembro (-0,4 pontos que em agosto de 2023) na indústria têxtil em resultado de uma visão mais pessimista dos empresários em relação às expectativas de produção e adequação aos stocks de produtos acabados. Neste indicador, também a confiança dos empresários da indústria do vestuário está a piorar (-3,4 pontos em comparação com agosto), devido à deterioração das encomendas no geral e uma avaliação de que os stocks de produtos acabados são atualmente demasiado grandes ou acima do normal. No entanto, as expectativas de produção na indústria do vestuário melhoraram ligeiramente, conclui a Euratex.