Têxtil do Vale do Ave com salários em atraso

Sem receber os salários desde Maio, os trabalhadores da empresa de têxteis-lar Lobo & Irmão, de Guimarães, acreditam que após as férias já não regressem aos postos de trabalho. Assim, e para se precaverem, os trabalhadores decidiram inscrever-se no centro de emprego vimaranense e requerer também o subsídio de desemprego. No entanto, este encerramento não se deve à crise, até porque tinham encomendas em carteira, mas sim a uma incompatibilidade entre administradores, todos da mesma família. A média salarial destes 110 trabalhadores não passa dos 400 euros, o corpo activo da empresa não recebia mais do que 350 euros por mês. Segundo informações do Sindicato Têxtil do Minho e Trás-os-Montes ao Diário de Notícias, algo de “muito esquisito” está a suceder na região. O sindicalista acusa a administração da empresa de praticar má gestão e de confundir problemas pessoais com o funcionamento da fábrica, que deve cerca de 600 mil contos à Segurança Social. Depois de uma concentração à porta da empresa, os trabalhadores seguiram em cortejo e cortaram o trânsito na estrada nacional 106, que liga Guimarães a Santo Tirso.