Têxteis nacionais apostam no Báltico

A Baltic Textile + Leather, que decorreu de 7 a 9 de Setembro em Vilnius, na Lituânia, é a maior feira do sector têxtil e do sector da pele dos Países Bálticos, dirigida tanto a profissionais do sector, como a compradores. Atendendo à classificação temática dos expositores, dominam os artigos têxteis e de vestuário.

A Baltic Textile + Leather teve a participação de 141 expositores de 21 países: Lituânia (82), Argentina (3),

Bielorrusia (4), Bélgica (2), Dinamarca (2), Estónia (4), Finlândia (1), Alemanha (4), Hungria (1), Índia (1), Itália (4), Letónia (5), Noruega (1), Paquistão (4), Polónia (6), Portugal (6), Rússia (4), Suiça (2), Turquia (2), Reino Unido (1) e Ucrânia (2). Olhando para estes dados, verifica-se que a participação estrangeira de maior peso corresponde aos países com maior proximidade geográfica, como Polónia, Alemanha, Bielorrusia, Estónia e Letónia. Cabe destacar por outro lado a presença de 3 países muito afastados geograficamente, como Argentina, Índia e Paquistão. Os países estrangeiros com uma maior presença foram a vizinha Polónia e Portugal.

A presença portuguesa viu-se reforçada pelo primeiro ano com um stand colectivo que reunia 6 empresas dos sectores de fios e acessórios: Artefita, F.D.G – Fiação da Graça, Somelos Fios, Idepa e Arco Têxteis. Esta participação foi promovida pela Associação Selectiva Moda e apoiado pelo ICEP e o stand ocupou a área central do pavilhão 1

De forma complementar, o programa da feira incluiu o desfile Moda Báltica, uma conferência internacional sobre «As perspectivas da Industria do Lino», um fórum de discussão sobre «A colaboração entre a indústria têxtil e de vestuário da UE e os países da CEI», e seminários sobre tecnologia.

Nos últimos anos a feira assume uma cada vez maior importância como ponto de encontro para os profissionais do sector da ITV. As empresas expositoras usam-na como plataforma para apresentar ao público os seus produtos, assim como para realizar algumas vendas em determinados casos. O seu marcado carácter profissional, dada a pouca afluência de público final, faz da feira uma boa forma para realizar contactos comerciais, encontrar clientes, compradores e ter uma boa ideia da evolução do sector na zona dos países bálticos. Segundo dados da própria organização, o principal motivo de presença na feira por parte dos visitantes é «fazer novos contactos comerciais» (26,4%), seguido de «manter e desenvolver os contactos comerciais existentes» (21,5%), enquanto que «procurar agentes e/ou distribuidores» ocupa o último lugar (3%). Sem ter uma marcada repercussão a nível internacional, dada a pequena escala desta feira, o seu marcado carácter profissional, converte-a num perfeito ponto de encontro de profissionais do sector.