Temperatura aumenta no Algarve

A marca direcionada para mulheres jovens e mais irreverentes faz companhia à “irmã mais velha” Ana Sousa na nova loja do Designer Outlet Algarve, elevando para duas dezenas o número de pontos de venda próprios onde as consumidoras podem encontrar as duas marcas.

[©Temperatura]

Lançada em 2019 para complementar a oferta da Ana Sousa, a Temperatura tem mais um ponto de venda em Portugal. A marca está inserida na nova loja Ana Sousa, que abriu no passado dia 17 de março no Designer Outlet Algarve.

Descrevendo-se como uma insígnia pensada para «mulheres até aos 35 anos, com sensualidade e carisma, de sangue quente, que procuram expressar o seu temperamento. Uma mulher latina, arrebatadora, apaixonada e com “mão na anca”», a Temperatura alarga a faixa etária da Ana Sousa, desenhada para mulheres acima dos 35 anos, «com elegância, charme e sobriedade, com a independência no sangue, que procuram um luxo acessível e intemporal, uma mulher-mãe delicada, com cabelo, decote e movimentos clássicos», define o website das marcas.

[©Temperatura]
[©Temperatura]
Embora sob um mesmo teto, as duas marcas têm identidades diferentes que se espelham no espaço da loja. Do lado da Temperatura predominam os tons quentes, nomeadamente o vermelho, com imagens das coleções «que mostram sensualidade e jovens poderosas», revela um comunicado da marca. Do outro lado é possível encontrar as propostas da Ana Sousa, enquadradas em cores sóbrias e um estilo minimalista.

«A loja disponibiliza à região do Algarve duas marcas para dois tipos de geração de mulheres», refere o comunicado, que acrescenta que a nível nacional existem já 20 lojas físicas com as duas marcas. «As peças da Ana Sousa e Temperatura podem também ser adquiridas através da loja online», indica.

Ordem para crescer

Numa entrevista ao Jornal Têxtil em plena pandemia, Rute Sousa, CEO da MJJS, a empresa que assumiu em 2019 a distribuição das marcas do grupo Flor da Moda, antecipou a continuação da aposta nas lojas físicas com o regresso das compradoras à rua. «A Temperatura é muito recente e esta situação acabou por ser muito penalizadora para a marca, porque estávamos a lançá-la, a colocar em prática uma série de estratégias de comunicação e vimo-nos forçados a interromper porque as vendas não estavam a ocorrer. No caso da Temperatura, temos que reforçar as políticas e as estratégias de comunicação. No caso da Ana Sousa, temos que continuar o trabalho que vínhamos a fazer: reforçar o contacto com a cliente e trabalhar as estratégias que já tínhamos. Acredito que a consumidora vai, durante uma fase curta, continuar a dar alguma preferência ao online, mas no médio prazo, ainda este ano [2020], vamos começar a ver novamente a necessidade de voltarem às lojas de rua», afirmou.

A CEO apontou ainda como objetivos de futuro «reposicionar a Ana Sousa, posicionar a Temperatura e crescer. Temos necessariamente que crescer».

Rute Sousa