Tecnologia nacional reduz poluição na ITV

O projeto CirRe-Dyeing, da Universidade de Coimbra, pretende criar uma plataforma circular que permita reutilizar os corantes e a água empregues nos processos de tingimento têxtil, permitindo uma menor pegada ambiental.

Equipa do DEQ [©FCTUC - Sara Machado]

Uma equipa de investigadores do Departamento de Engenharia Química (DEQ) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), em colaboração com o Instituto Indiano de Tecnologia de Madras (IIT Madras), está a desenvolver uma tecnologia que, alega, pode reduzir a poluição causada pela indústria têxtil.

«Quando pensamos nesta questão do consumo de água, nas problemáticas que enfrentamos relativamente à seca e que tendem a piorar no futuro, a indústria têxtil apresenta-se como um dos sectores que gera mais preocupação devido à elevada quantidade de efluentes contaminados com corantes sintéticos e outros auxiliares químicos após o processo de tingimento», refere, em comunicado, Jorge Pereira, docente do DEQ e investigador no Centro de Engenharia Química e Recursos Renováveis para a Sustentabilidade (CERES).

Como resposta a este problema, a equipa liderada por Jorge Pereira tem vindo a desenvolver uma tecnologia que «permite recuperar e reutilizar a água, os corantes e os aditivos que constituem esse efluente contaminado o maior número de vezes possível, dentro de um conceito de economia circular. No fundo, o objetivo é possibilitar à indústria a redução dos consumos de água, mas também de corantes, que embora sejam de baixo custo, têm um impacto ambiental brutal», explica.

[©FCTUC – Sara Machado]
Para além disso, esclarece, «a tecnologia que estamos a desenvolver irá reduzir significativamente a quantidade de contaminantes presentes nos efluentes, facilitando o tratamento da água subsequente, através de processos mais convencionais e, consequentemente, diminuir os custos associados. Queremos uma plataforma sustentável ambiental, económica e socialmente, que possa ser utilizada em qualquer parte do mundo e em diferentes indústrias», acrescenta o investigador do CERES.

De acordo com a equipa do projeto, neste momento, a tecnologia concebida na FCTUC encontra-se em processo de proteção intelectual. «Acreditamos que esta tecnologia tem um enorme potencial de implementação a nível industrial e, com o apoio das indústrias têxteis portuguesas, pode progredir para ensaios piloto e num futuro imediato contribuir para um tratamento mais eficiente e ecológico dos seus efluentes contaminados com corantes», conclui.

O projeto CirRe-Dyeing, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, decorre até 2025 e envolve aproximadamente duas dezenas de investigadores do DEQ e do IIT Madras.