Tecnologia distingue Calvelex

A empresa de confeção está a investir em tecnologia e a implementar novas ferramentas para melhor servir os seus clientes da área corporativa. Uma evolução que lhe valeu um PCIAW Award na categoria de digitalização.

César Araújo

«Costumo falar em evolução, mas aquilo que a Calvelex está a fazer é mesmo uma revolução», acredita César Araújo, administrador da empresa de confeção que anualmente produz mais de um milhão de peças com destino sobretudo à Europa e aos EUA.

Além da Fabrics4Fashion, uma plataforma online com uma biblioteca com mais de 35 mil tecidos e capaz de fornecer pequenas encomendas de até um metro de tecido de 7.000 referências, a Calvelex tem atualmente em funcionamento um portal online onde os clientes podem ver mais de 30 mil moldes de peças de vestuário, facilitando o desenvolvimento de produto.

«A Calvelex.net é a maior biblioteca de fittings», sublinha o administrador. «Temos mais de 30.000 fittings por tamanhos e por regiões, porque as pessoas não são todas iguais. Estão divididos por continentes e, ao mesmo tempo, por área norte e sul de cada país. Quando, no futuro, quisermos fazer qualquer pedido do cliente, poderemos, a partir dos esboços dele, introduzir no sistema os requisitos e o sistema vai rapidamente dar-nos, de todos os fittings que temos, os dez mais aproximados referentes àquele território ou àquele país. Juntamente com isso, conseguimos ir ver as cores, porque moda é cor. Quando tivermos as tendências de cor, e como temos a Fashion4Fabrics, a maior tecidoteca do mundo, com todas as cores e todos os padrões, o sistema vai poder ir buscar o tecido e facilmente conseguimos sugerir ideias aos nossos clientes», explica César Araújo ao Jornal Têxtil.

Atenção à sustentabilidade

Como destacou na apresentação que fez à comitiva de participantes internacionais da PCIAW, no caso do vestuário corporativo, que representa 20% da sua produção, a Calvelex – que, além das três unidades de confeção, conta com dois centros logísticos, incluindo serviço de pick & pack que garante uma resposta em até 72 horas aos clientes – tem ainda um sistema que permite a ligação ao sistema informático do cliente quer para ter acesso às medidas dos funcionários, quer para permitir fazer previsões de necessidades em termos de uniformes. No fornecimento de hotéis e empresas de cruzeiros, por exemplo, a Calvelex consegue em 10 dias fornecer os uniformes, com uma equipa a deslocar-se aos locais para fazer os ajustes necessários.

«Fornecemos roupa de trabalho para clientes com hotéis de quatro e cinco estrelas, ou seja, para os segmentos médio-alto e luxo. E conseguimos dar tudo ao cliente, que sabe que quando chega à Calvelex tem um parceiro estratégico. Muitos dos desenvolvimentos dos clientes dependem desse parceiro estratégico – e é isso que nós fazemos. Podemos controlar tudo, desde os stocks às quantidades e tamanhos», revela o administrador da Calvelex.

A empresa está ainda atenta às questões da sustentabilidade e economia circular, oferecendo serviços de reparação e de recolha de vestuário em fim de vida. «Estamos a desenvolver agora um projeto para trazer para Portugal o que vendemos ao cliente – quando substituo o uniforme do trabalhador, faço a reciclagem em Portugal do produto. Estamos a tentar desenvolver, com parceiros, materiais que possam ser depois reciclados», adianta César Araújo.

Tendo recebido, nesta edição dos prémios da PCIAW, o galardão que destaca a digitalização nas empresas produtoras, a Calvelex pretende continuar a evoluir tecnologicamente, para responder aos novos desafios da indústria. «Há cada vez menos pessoas disponíveis para trabalhar. Não me choca nem me admira nada que nos próximos cinco a 10 anos, a Calvelex tenha robôs e pessoas a trabalhar em colaboração», conclui o administrador.