Sustentabilidade brasileira atrai empresas portuguesas

Com foco na sustentabilidade, o salão Inspiramais tem sido uma excelente montra de inovação e de design de materiais “made in Brasil”. A mais recente edição acolheu 7.135 visitantes profissionais, entre os quais as empresas portuguesas Plumex e SB Group.

[©Inspiramais]

Foram «as palmilhas e as embalagens de cartão», os produtos que mais interesse suscitaram a Henrique Carlos durante a visita ao salão brasileiro Inspiramais, que decorreu entre 24 e 25 de janeiro. O administrador da empresa portuguesa de calçado Plumex estabeleceu «vários contactos com empresas que proponham múltiplas opções de artigos». «É um salão com uma variedade enorme de matérias-primas muito focadas na sustentabilidade», afirmou.

Também Rui Silva destacou a grande preocupação com a certificação dos materiais e a forma sustentável como grande parte é feita.  O responsável do SB Group relatou ainda algumas inovações que teve oportunidade de ver durante o certame, como a pele de Tilápia, extraída de peixes de água doce, utilizada hoje por várias marcas de luxo devido às suas características especiais como a textura e a beleza.

[©Inspiramais]
Subsidiária do grupo português epónimo, a Endutex Brasil, que se dedica à comercialização de tecidos técnicos, foi uma das 150 empresas brasileiras que participaram como expositoras na 27.ª edição do Inspiramais. De acordo com Vasco Silva, sócio e diretor da empresa, uma parte das vantagens da Endutex Brasil prende-se com à homologação dos seus produtos junto de importantes empresas internacionais como Nike, Puma, Diadora, Asics ou Adidas. «Atualmente, o calçado desportivo representa 40% do nosso volume de negócios», salientou.

Portugal no top 3

O otimismo e a excelente afluência de visitantes ao salão Inspiramais são apontados pela organização como uma boa evolução das exportações de componentes brasileiras em 2022. Para 2023, Luiz Ribas Júnior responsável pelo mercado Internacional da ASSINTECAL – Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos, espera manter a evolução no mercado doméstico e «a nível internacional crescer à volta dos 5%». «Queremos diversificar mercados e clientes. Atualmente exportamos os nossos produtos para 77 países», revelou.

O Brasil é o segundo maior cluster de componentes para calçados, atrás apenas da Ásia. Conta com 2.400 empresas que empregam 100.000 pessoas, sendo que 75% da produção está concentrada nos Estados do Rio Grande do Sul e São Paulo.

O ano de 2022 foi positivo para as exportações de componentes para couro e calçados brasileiros. Dados elaborados pela ASSINTECAL mostram que, no ano passado, as exportações do sector geraram 421,2 milhões de dólares, 12% mais do que em 2021. No comparativo com a pré-pandemia, em 2019, o crescimento é ainda mais significativo, de 18%.

Portugal ocupa o terceiro lugar dos destinos de exportação da indústria de componentes brasileira para calçado. No ano passado foram exportados para o país cerca de 44,5 milhões de dólares de componentes para o calçado, mais 23% relativamente a 2021.

[©Inspiramais]