Somani desenvolve pensos para o tratamento de feridas

A Somani lidera o consórcio do projeto Tex4Wounds, que tem como objetivo desenvolver uma gama de dispositivos médicos avançados que deem uma resposta eficaz no tratamento de feridas. Com término em junho, os primeiros resultados são promissores.

[©Compete]

O Tex4Wounds, que inclui também a Fourmag, o CITEVE e a Universidade Católica Portuguesa, pretende responder a uma lacuna do mercado, explica Miguel Sousa, head of business development da Somani, numa entrevista publicada na newsletter do Compete.

«Foi identificado que o mercado de materiais de penso atual apresenta um vasto portefólio de produtos semelhantes e/ou produtos com a mesma indicação principal, mas com características físicas que não são sobreponíveis. Para além disso, estes materiais apresentam desafios como: custo elevado, dificultando a sua utilização generalizada; libertação de resíduos, no caso das gazes de algodão ou dos materiais de alginato, o que aumenta a resposta inflamatória, bem como o risco de infeção», indica Miguel Sousa. «Verifica-se, ainda, a necessidade de existirem no mercado materiais de penso multifuncionais que cumpram os requisitos associados às características locais da ferida e à sua fase de cicatrização», acrescenta o head of business development da Somani.

Miguel Sousa [©Compete]
Durante o projeto, que começou em julho de 2021 e deverá terminar no próximo mês de junho, foram desenvolvidos dois tipos de produtos: um material de limpeza e desbridamento e um penso para a cicatrização de feridas. Entre as funções desejadas estão a «promoção da cicatrização, controlo de infeção, indicador de mudança e, ainda, uma forma e um design versátil e diferenciador para se moldarem a qualquer espaço anatómico», enumera Miguel Sousa, que assume que «tem sido desafiante conseguir desenvolver uma gama de produtos com características tão inovadoras, que consigam ser economicamente mais acessíveis do que as soluções já existentes no mercado».

Testes em curso

Para isso, o consórcio recorreu a materiais «totalmente têxteis dotados de propriedades antibacterianas e de gestão de humidade, integradas diretamente no fio», que permitiram «criar estruturas diferenciadoras com elevada capacidade de absorção e retenção. Para além disso, a sua combinação com aditivos de base natural, foi fundamental para potenciar a ação cicatrizante dos materiais de penso em desenvolvimento», aponta o head of business development da produtora de vestuário.

«No que concerne ao material de penso para limpeza e desbridamento, o mesmo foi pensado para ser fornecido pronto a usar, isto é, em húmido, já com aditivos de base natural que conferem propriedades hidratantes e surfactantes, a fim de agilizar o processo de limpeza e desbridamento de feridas. Além disso, acredito que o seu design diferenciador, pensado para a prática clínica diária, será também uma mais-valia tanto para os profissionais de saúde, como para os utilizadores em geral», destaca Miguel Sousa.

[©Compete]
Os protótipos estão atualmente a ser testados em modelos 3D simuladores de feridas, mas os promotores do projeto estão igualmente a receber contributos de um grupo de profissionais de saúde, «por forma a obter-se um feedback mais rigoroso e realista», sublinha o o head of business development da Somani.

«Temos vindo a obter resultados bastante promissores, quer ao nível das estruturas têxteis em si, como dos aditivos em estudo, dos quais já resultaram a publicação de dois artigos científicos e ainda outro que se encontra a aguardar publicação», revela Miguel Sousa, que sublinha que o projeto contribui também «para o desenvolvimento científico e tecnológico do sector têxtil, incluindo ao nível de têxteis técnicos, potenciando a competitividade e a criatividade» desta indústria.