Snug evolui conceito

A marca, que inicialmente se direcionou para a puericultura, tem vindo a focar-se no vestuário de criança, agora até aos quatro anos, para responder à procura sentida nos mercados internacionais.

Inês Meireles

Em 2016, quando foi lançada, a oferta da Snug centrava-se em produtos de puericultura e homeware, incluindo roupa de cama patenteada, pequenos livros e alguns itens de vestuário, que funcionavam como opções de presente para recém-nascidos. No entanto, com o tempo e a expansão nos mercados externos, a marca começou a adaptar-se às necessidades do mercado.

«Conforme fomos tendo mais agentes, percebemos que era muito fácil para eles venderem o conceito gift e começámos a aumentar o número de modelos», explica, ao Portugal Têxtil, Inês Meireles, designer da marca. «Vendíamos tudo em pack, por exemplo, uma t-shirt com uns sapatinhos, tudo em tamanhos pequeninos. Eles começaram a perceber que a venda disso era muito rápida e a pedir mais quantidades. Com o tempo, fomos percebendo que o mercado exigia mais tamanhos e variedade. E nós temos de ir evoluindo mediante o que o mercado nos pede», acrescenta.

Esta mudança levou a Snug a alargar a sua coleção até aos quatro anos de idade, o que aconteceu com a coleção atualmente em loja, para o verão de 2024. As propostas para o outono-inverno 2024/2025 e a para a primavera-verão 2025 seguem os mesmos pressupostos. «Percebemos que podíamos fazer algumas coisas até aos quatro anos, mas sem prejudicar o que estávamos a fazer bem até ao momento, que era trabalhar até aos dois anos», sublinha.

Também a sustentabilidade assumiu um lugar central das preocupações da Snug. «Estamos cada vez mais focados em ser amigos do ambiente. Trabalhamos com algodão orgânico e reciclado, e temos cuidado com a origem dos materiais e condições de trabalho dos nossos fornecedores», afirma Inês Meireles. A marca lançou também uma landing page com um QR Code nas etiquetas dos produtos, onde os clientes podem ver toda a transparência do processo de produção.

A mais recente coleção, que está a ser apresentada em feiras do sector como a Playtime Paris, inclui também peças em tricô, feitas com fios reciclados e certificações que garantem a transparência e sustentabilidade do produto. «Queremos ser transparentes e ajudar os clientes a entenderem o que estão a comprar», resume Inês Meireles.

Em termos de conceito, a Snug diferencia-se de outras marcas, incluindo da “irmã” Laranjinha, ao focar-se em vestuário confortável e prático para crianças, mantendo o que Inês Meireles chama de «charme contemporâneo». Segundo a designer, «a Snug é sobre conforto e praticidade. Trabalhamos principalmente com malhas e conjuntos de leggings e t-shirts que tanto dão para dormir como para o dia a dia», um conceito usado especialmente no Norte da Europa. «Tem um conceito confortável e uma estética ideal para todos os momentos», acredita.

A Snug está a crescer principalmente em mercados como Itália, EUA e Alemanha, onde a coleção até aos quatro anos tem sido bem recebida. «Estamos a adaptar a nossa coleção para responder às necessidades específicas de cada mercado, sem comprometer a nossa filosofia de sustentabilidade e conforto», conclui Inês Meireles.