Scusi com novas paragens

Com o barco a andar a grande velocidade, a Scusi encontrou uma nova paragem: Itália. Com um aumento das vendas de vestuário, a marca portuguesa vai, em 2022, reforçar a participação em feiras internacionais para ir ao encontro dos mercados nórdicos.

Rosa Martins

«Retoma». Foi com esta palavra que Rosa Martins recebeu o Portugal Têxtil durante a sua participação na última edição do Modtissimo. «Já se vê o pessoal todo a mexer, todo curioso, tudo a querer retomar, a querer comprar», afirmou a CEO da Scusi.

O último ano da marca de vestuário feminino foi «positivo» e assinalado pela conquista de um novo mercado, Itália, «com uma distribuição nova e está a correr bem», revelou.

Sem criar grandes estratégias nos primeiros meses da pandemia, em 2019, a Scusi preferiu continuar com uma relação de proximidade com seus clientes, mesmo que à distância e pelo telefone.  «Continuamos a fazer as nossas coleções habituais e fomos dando o nosso apoio, prestando-lhes o mesmo serviço. Esta atitude acabou por oferecer mais confiança aos clientes, que foram comprando com algum medo inicialmente, até porque vendíamos coleções através de lookbook. Agora nota-se um positivismo geral e efetivamente estamos a vender muito bem», contou Rosa Martins.

Com as vendas normalizadas, a Scusi prevê encerrar o ano com um aumento na ordem dos 30%. Portugal é o principal mercado da marca, que está presente em mais de 200 lojas multimarca. Espanha ocupa o segundo lugar, com mais de 100 pontos de venda.

«Estivemos recentemente na Momad em Madrid e a nossa participação superou mesmo as expectativas. Não estava à espera, até porque optámos por ter um stand um bocadinho mais pequeno do que o normal e havia alturas em que não cabíamos lá dentro tanta era a afluência dos compradores. Houve um cliente que não consegui atender em Madrid e que me disse que vinha aqui ao Modtissimo hoje reunir comigo», descreveu.

Verão mais casual e chique

Após uma oferta mais direcionada para o confortável, a Scusi apresenta propostas mais elaboradas e mais casual para o verão 2022. «Na coleção de inverno, que estamos a enviar agora, houve todo um segmento prático que foi preciso fazer porque as pessoas procuravam uma linha mais homewear. Para o verão elaborámos também uma linha mais confortável, mas acho que houve um abrandamento, as pessoas deixaram de procurar tanto o prático, estão um bocadinho cansadas e querem voltar a ser mais chiques, mais casual, nota-se isso! Mas essa linha vai ficar, porque as pessoas habituaram-se ao prático e não se vão desligar do prático tão cedo», argumentou.

Para 2022, Rosa Martins gostaria de entrar nos mercados alemão e dos países nórdicos. Para tal está a estudar as possibilidades existentes de feiras nestas zonas geográficas.