Roupa interior em análise

As exportações nacionais de roupa interior de homem e mulher têm-se mostrado menos dinâmicas nos últimos anos. Após um máximo de 125,8 milhões atingido em 1998, as vendas ao exterior caíram para 110,5 milhões em 2004. Este resultado reflectiu a evolução dos fluxos para o mercado intra-comunitário que absorve actualmente 83,3% das exportações totais desta categoria de produtos Entre os principais mercados de destino das exportações nacionais destaca-se a Áustria, que importa mais de ¼ das vendas totais ao exterior. Refira-se que o mercado austríaco não pertence à lista de principais parceiros nacionais nas exportações de vestuário, distinguindo-se contudo na roupa interior. Seguem-se a Alemanha e a Espanha com quotas de 15,0% e 13,0%, respectivamente. Nos mercados extra-comunitários apenas merece referência a Suiça que conta com uma fatia de 11,7% do bolo total das exportações. A análise das exportações evidencia o aumento do peso relativo da Áustria enquanto destino dos fluxos nacionais é um fenómeno recente. De facto de acordo com os dados do Observatório Têxtil do CENESTAP, em 1994, a Alemanha absorvia 40,0% das exportações nacionais, todavia nos últimos 10 anos foi perdendo peso relativo em contrapartida do mercado Austríaco. Note-se o aumento da representatividade da Áustria coincidiu com a entrada para a U.E. o que reflecte que antes de 1995. Segundo os dados mais recentes relativos aos dez primeiros meses de 2005, as saídas de roupa interior do mercado nacional evidenciaram uma nova contracção tendo caído 11,0% fixando-se nos 81,5 milhões de euros. Com efeito, a liberalização do comércio desta categoria no início do ano no âmbito do acordo da OMC sobre têxteis e vestuário e o aumento da concorrência dos artigos de baixo preço prolongou a tendência descendente que as exportações evidenciaram nos últimos anos constituindo-se como mais um desafio que este sector terá que enfrentar nos mercados internacionais. Todavia, apesar deste aumento da concorrência nos principais mercados de exportação nacional, entre Janeiro e Outubro de 2005, as exportações de vestuário interior para os principais mercados não se ressentiram tendo mesmo registado um aumento de 3,3% para a Áustria e de 7,5% para Espanha. Excepção seja feita para a Alemanha, uma vez que, as exportações com destino ao mercado germânico caíram 18,6%. Por fim, merece referência a evolução do preço médio das exportações nacionais, num contexto de aumento da concorrência pelo preço, os artigos nacionais registaram um crescimento nos primeiros 10 meses de 2005 quando comparados com o período homólogo de 2004 fixando-se em 2,88€ por unidade de roupa interior que compara com os 2,51€ do ano passado. Este resultado é um primeiro indício de que as exportações nacionais estão a evoluir para artigos com maior valor acrescentado. Esta informação é apresentada em ficha de mercado, disponível no Portugaltextil.com