Recomendações para o novo Governo – a visão da Anbievolution

Os empresários da indústria têxtil e vestuário elencam os principais desafios que enfrentam atualmente e apontam algumas medidas que deverão ser tidas em conta pelos governantes eleitos. Esta é a perspetiva de André Andrade.

André Andrade

Antes de saberem o resultado das eleições de 10 de março e de como seria constituído o próximo Governo do país, os empresários questionados pelo Jornal Têxtil apontaram algumas das prioridades e eventuais medidas que deveriam ser assumidas nos próximos tempos. O reconhecimento da importância da indústria têxtil e vestuário na economia e estrutura social do país foi uma das referências, a juntar-se à revisão fiscal, tributação sobre o trabalho, apoios à internacionalização e modernização, incluindo na transição digital, defesa dos interesses da indústria em Bruxelas, mas, sobretudo, a estabilidade desejada para que as empresas possam ser competitivas nos mercados internacionais.

Esta é a perspetiva de André Andrade, gestor da Anbievolution.

«Deviam dar ainda mais valor à parte da internacionalização. Sei que há sempre uma parte para isso, mas creio que não é bem aquilo que precisávamos. As empresas portuguesas são muito boas, tanto a nível de calçado, como têxteis-lar, como malhas, como tecidos, e não temos o suporte suficiente. Numa feira como a Première Vision, a Turquia tem mais de duzentas empresas. Eles têm um apoio fortíssimo. Acho que, no nosso caso. não está bem distribuído. Não é só dizer têm aqui este valor, acho que deveria haver um suporte bastante diferente.

Sei que existe a AICEP que dá apoio, mas acredito que essas instituições tenham que ajudar melhor as empresas. Às vezes, contacto a AICEP e fornecem-me contactos, mas esses contactos e a ajuda que me dão tem servido zero. A AICEP nunca me deu um cliente e eles já me enviaram vários contactos para vários países. Foi sempre muito vago. É uma ajuda, mas é uma ajuda muito vaga, porque, depois, a nível de resultados, é zero. Deveria haver uma força maior nesse sentido».