Reciclados integram propostas da Trivialtex

A empresa especialista em fios de fibras sintéticas, que tem como objetivo continuar a crescer em diferentes mercados, destacou, na mais recente edição da Techtextil, artigos com matérias-primas recicladas.

Carla Oliveira e Cristina Antunes

Na feira de têxteis técnicos e não-tecidos de Frankfurt, a Trivialtex – que dentro de portas realiza operações de texturização, torção, tingimento e bobinagem – realçou os novos produtos mais sustentáveis. «Esta feira é principalmente um ponto de encontro para rever clientes e procurar novos mercados. O principal destaque são os produtos reciclados, com uma percentagem que já atinge 100% em alguns segmentos», afirma Carla Oliveira, comercial de exportação da empresa, adiantando que «temos 50%/50% em algumas poliamidas e poliésteres também, mas o grosso do que vendemos é com reciclagem de 100% pré-consumo».

A Trivialtex, que tem igualmente versões com tingimentos naturais, utiliza tanto resíduos pré-consumo como pós-consumo, incluindo redes de pesca e carpetes, para produzir estes fios mais sustentáveis. «No pós-consumo, temos misturas 50%/50% ou 60%40%», acrescenta. Mas «os reciclados já têm um peso muito grande», sublinha a comercial Cristina Antunes.

Atualmente, a produção da empresa tem como destino segmentos como moda, desporto, saúde, meias e passamanarias. O vestuário representa cerca de 80% do mercado da Trivialtex, com uma presença significativa na Europa, incluindo mercados estratégicos como Alemanha, mas também no Canadá, África do Sul, Marrocos e Tunísia. «O nosso principal mercado é a Europa, mas temos uma presença crescente noutras regiões», refere Cristina Antunes.

A empresa está também a explorar oportunidades nos diferentes mercados para expandir a sua presença, nomeadamente na área da saúde, onde esteve a expor na feira Medica, e do desporto, onde visitou a ISPO. «São áreas que nos interessam», indica a comercial.

Apesar de reconhecer a existência de desafios, as comerciais da Trivialtex mantêm uma perspetiva otimista para o futuro, estando a fazer uma aposta mais forte na Alemanha. «Estamos a recuperar os clientes que pertenciam à TWD, que era a nossa principal concorrente. Muitos já conseguimos, mas ainda não estamos no nosso número», revela Cristina Antunes. «O nosso objetivo é crescer continuamente. Estamos no bom caminho este ano e esperamos superar os resultados de 2022», conclui Carla Oliveira.