RadiciGroup rastreia poliamida

O grupo italiano apresentou o primeiro projeto de rastreabilidade física e digital para um fio de poliamida, que é identificável em todas as etapas do processo. A iniciativa, que demorou dois anos a concluir, deverá agora ser alargada a outras fibras.

[©Radici]

O projeto do RadiciGroup foi apresentado na mais recente edição da Techtextil, através de um colete feito com fio produzido numa das unidades industriais europeias do grupo, que graças a um código QR pode revelar a sua origem e mostrar informações sobre o processo de produção.

O projeto, viabilizado por uma parceria com a FibreTrace, permite que os fios de poliamida sejam rastreados física e digitalmente. O RadiciGroup insere, como marcador, um aditivo inorgânico que está exclusivamente associado ao fio e permanece identificável em todas as etapas do processamento – tanto no tecido quanto na peça acabada. O marcador não altera em nada o desempenho funcional e técnico dos fios, refere a empresa.

Durante as fases de produção, um scanner deteta a presença do marcador e pode transmitir os dados relativos à proveniência para uma plataforma digital própria. Através de um código QR, o consumidor pode então aceder à plataforma digital que fornece todas as informações relativas à proveniência do produto e ao seu percurso na cadeia de aprovisionamento.

«Este projeto é o resultado de quase dois anos de trabalho da nossa equipa de pesquisa e desenvolvimento e estamos muito orgulhosos por trazer para o mercado a primeira solução de rastreabilidade física e digital de poliamida», afirma Filippo Bona, diretor de I&D do RadiciGroup Advanced Textile Solutions.

Os próximos passos, revela, são «alargar esta iniciativa a outras fibras produzidas pelo grupo». Segundo Filippo Bona, «a rastreabilidade aumenta a consciência do consumidor sobre onde o vestuário é realmente produzido e também ajuda a combater produtos contrafeitos e a incentivar a produção na Europa, em linha com os princípios dos regulamentos do Passaporte Digital de Produto que estão a ser planeados pela União Europeia».