Quiksilver sempre na onda

A firma de activewear Quiksilver afirmou hoje que as vendas liquidas do primeiro trimestre do ano fiscal de 2002 subiram 20% para 166,93 milhões de euros, em comparação com o ano fiscal de 2001 em que as vendas liquidas atingiram somente os 138,36 milhões de euros. O lucro consolidado do primeiro trimestre que terminou em Janeiro de 2002 foi de 3,52 milhões de euros. Neste trimestre os ganhos por acção foram de 15 cêntimos, contra os 18 cêntimos conseguidos no primeiro trimestre de 2001. Robert B McKnight Jr, presidente e director executivo, afirmou que “estamos a emergir de um ambiente retalhista e económico muito desafiador, e estamos a sair com uma excelente posição. O nosso aumento registado em dois dígitos é o reflexo da força da nossa linha de produtos. Esta constatação é reforçada pela taxa de vendas da colecção Outono Inverno”. As vendas no mercado interno durante o primeiro trimestre no ano fiscal de 2002 aumentaram 14%, para 102,01 milhões de euros contra os 89,29 milhões de euros conseguidos no ano transacto. As vendas liquidas na Europa aumentaram 30% de 49,07 mil milhões em 2001 para 63,61 milhões de euros no corrente ano. Inventários consolidados aumentaram 8%, de 122,23 milhões de euros em 31 de Outubro de 2001, para 132,23 milhões de euros a 31 de Janeiro de 2002, uma subida de 3% quando comparados com Janeiro de 2001. As etiquetas da Quiksilver incluem a Quiksilver, Roxy, Raisins, Radio Fiji e Hawk Clothing. A empresa também fabrica vestuário para rapazes (Quiksilver Boys e Hawk Clothing), para raparigas (Teenie Wahine e Rainins Girls), para homem (Quiksilveredition e Fidra) e para senhora (fatos de banho Lelani), tento também a seu cargo a produção de snowboards, e respectivas botas e ligações.