Quiksilver na onda dos novos clientes

Este comportamento é sem dúvida original. Para melhor conhecer e fidelizar os seus clientes, a Quiksilver lançou o clube The World of boardriders. Uma vez membro deste clube, os apaixonados dos desportos radicais têm acesso a produtos exclusivos. Eles são convidados para acontecimentos desportivos e musicais, como concertos organizados pela NRJ, parceira da Quiksilver. Beneficiam ainda, de saldos privados e de viagens negociadas com a agência de viagens Marina Travel. Um jornal de informação sobre a marca é enviada para suas casas quatro vezes por ano, e têm também acesso a um site na Internet dedicado à marca de vestuário. Os membros do clube pagam uma cota de 75 euros, «porque criar um clube é caro», explica Jean-Laurent Ardes, director de clientes na Sparing Partners, a agência que gere a operação, mas «sobretudo porque esta negociação implica os futuros aderentes. Nós não vamos distribuir gratuitamente catálogos aos consumidores que não são ligados à marca». Estes membros, mais do que clientes, serão considerados comos os «alvos privilegiados da marca e dos vectores de comunicação», afirma a agência. Vão ser utilizadas duas formas de recrutamento. Uma através da loja que vai incitar o consumidor a preencher um formulário que dirá não só os seus dados pessoais mas também quais os desportos que pratica, o material que possui, as competições seguidas, as principais fontes de informação e os estilos de música preferida. Os boletins serão enviados às lojas da agência que as integrará numa base de dados, enviando depois uma carta ao aderente. Estes últimos serão depois convidados regularmente a aparecer na sua loja habitual. Paralelamente, a Quiksilver lançou uma operação de recrutamento por mailing junto do seu ficheiro de clientes. Os boletins de adesão estão também no jornal difundido nos 35 pontos de venda da marca e estão ainda disponíveis nos concessionários de venda Peugeot, que apresentaram em Janeiro um novo modelo 406 chamado Quiksilver. O especialista em vestuário para os praticantes de skate, surfistas e snowboarders, espera assim, criar uma tribo de jovens rapazes dos 12 aos 18 anos, mais sensíveis ao espírito das redes de operações clássicas de comunicação e fidelização.