Queda nas exportações têxteis indianas

As exportações indianas de têxteis de algodão diminuíram substancialmente em 2001, como resultado do abrandamento das economias americana e europeia. Os carregamentos de fio de algodão para países sem quotas foram desanimadores, devido à queda na produção de vestuário no Bangladesh, Coreia e Taiwan. Em termos de volume, as exportações de fios de algodão caíram 14.1% em 2001 para 457 milhões de quilos de acordo com a TEXPROCIL. Em termos de valor, desceram 15.47% para 1.43 mil milhões de euros. As exportações de Dezembro também sofreram uma quebra de 9.92% para 36.96 milhões de quilos. Em termos valorativos caiu 15.78% para 108.08 milhões de euros. As exportações para países sem quota, de longe a maior percentagem de exportações indianas de fio, decresceram cerca de 21.09% em Dezembro , tendo descido 16.73% em 2001. As exportações para os países com quota (UE, EUA, Turquia e Canadá) aumentaram 29.95% em Dezembro, mas diminuíram no período de Janeiro-Dezembro. A Texprocil apresentou uma quebra nos carregamentos para a Coreia e Bangladesh, os dois maiores destinos dos fios de algodão indianos. Isto deve-se maioritariamente ao decréscimo das exportações de vestuário destes países. As exportações para Taiwan, Mauricias, Israel, Malásia e Sri Lanka também diminuíram em termos de volume em 2001. Ao mesmo tempo, as exportações de tecidos de algodão para os países com quotas desceram cerca de 8.87% para 981.07 milhões de metros quadrados. Em termos de valor, desceram 8.40% para 390.12 milhões de euros. Contudo, em Dezembro, os carregamentos de tecidos de algodão para os países com quotas registaram um aumento de 12.91% em comparação com Dezembro de 2000. Em termos de volume, as exportações caíram 5.40%, reflectindo um aumento no preço por unidade.