Promoções antecipadas cancelam saldos

Grande parte das lojas em todo o país, quer do comércio tradicional, quer dos centros comerciais, começaram as suas promoções (que nalguns casos ultrapassaram até os 50%) há várias semanas. Assim, a maioria das lojas nem sequer vai chegar aos saldos, pois os stocks estão já na sua maioria esgotados. Existem até lojas como a Zara, a Mango, Stradivarius, Bershka, Pull & Bear, etc… que puseram já à disposição dos seus clientes a colecção de Outono/Inverno 2002-2003. Aliás, e segundo confirmou ao jornal Público uma responsável da Zara, “têm sido vendidas bastantes peças da colecção nova, talvez por termos reduzido um pouco os preços para contrariar o aumento provocado pela subida do IVA”. No entanto, e menos optimistas, estão os responsáveis de algumas lojas de comércio tradicional, que se vêm ‘obrigados’ pelas grandes superfícies a reduzir também os seus preços para acompanharem as grandes cadeias de lojas. As razões para a grande antecipação dos saldos são quase sempre as mesmas, ou seja, a quebra significativa das vendas no período de férias, necessidade de esgotar os ‘stocks’ para lançar a nova colecção e o hábito dos consumidores de esperar pelas reduções para fazer compras. Também a retracção nos índices de consumo tem vindo a contribuir para a generalização dos descontos no início das estações e para o lançamento das novas colecções em paralelo com os saldos, denominado ‘avanço de temporada’. No que diz respeito à lei, o cumprimento é a regra geral, apesar de algumas lojas introduzirem o anúncio de “saldos” nas montras antes da data prevista. No entanto, e devido à antecipação cada vez mais frequente das promoções, a maioria das vezes a única diferença entre “promoções” e “saldos” é mesmo a do nome…