Procura por materiais sustentáveis dispara

Houve mais marcas de moda a pedir materiais sustentáveis em 2023 em comparação com 2022, um aumento que foi igualmente correspondido pelos fornecedores.

[©Material Exchange]

Um estudo da start-up Material Exchange indica que 86% das marcas de moda inquiridas encomendaram matérias-primas sustentáveis em 2023 em comparação com 52% em 2022 e a maior parte (72%) dos fornecedores foram capazes de cumprir com estes requisitos.

A transição para produtos mais amigos do ambiente tornou-se uma das principais preocupações da indústria, com cerca de 61% a apontar a sustentabilidade como «extremamente importante para o negócio».

A Material Exchange destaca que os dados são «muito promissores» e salienta que a sustentabilidade é um fator chave para todos os intervenientes da indústria. As mudanças também afetaram o número de empresas do sector que se aprovisionam na China. O país asiático perdeu clientes (-2,4% desde 2021), enquanto as compras na Índia subiram 8,5%. Da mesma forma, o sourcing na América do Norte (+7,7%) e no Vietname (+2,4%) cresceu no ano passado.

Também a digitalização está no topo das prioridades. 81% dos inquiridos apontou a digitalização como importante, referindo como as três principais razões para isso a rapidez a chegar ao mercado (60%), a redução do desperdício de recursos e do impacto do transporte de amostras em excesso (55%) e custos mais baixos de comprar e enviar amostras físicas de materiais (50%).

No entanto, quase 86% dos inquiridos afirmaram preferir mostrar os materiais fisicamente em vez de digitalmente, sublinhando a importância de atributos como o toque, que é mais difícil de mostrar digitalmente.

Há ainda 89% dos inquiridos que acredita que há uma relação entre sustentabilidade e digitalização da cadeia de aprovisionamento.

«Na Material Exchange, a nossa missão é transformar o sourcing de materiais tornando-o mais eficiente, transparente e sustentável. Ao publicar este estudo, estamos a contribuir diretamente para esse objetivo ao medir como está a indústria hoje e ao apresentar dados que podem indicar para onde é que vai. Tal como fizemos nos estudos anteriores, as questões focam-se na sustentabilidade e na digitalização na moda. É um recurso fantástico para a moda e um verdadeiro barómetro para analisar onde esteve a indústria e a ajudar a descortinar para onde vai», acredita Darren Glenister, CEO da start-up sueca.

O estudo 2023 Digital Sourcing and Sustainability baseou-se nas respostas de 28 profissionais da indústria, divididos por marcas de moda (68%), fornecedores (21%) e outros (11%) e em geografias distintas, nomeadamente Canadá, EUA, Brasil, Reino Unido, Itália, Bélgica, Índia, Paquistão e China.