Portugal exporta mais tecidos impregnados

Numa altura em que 6 empresas nacionais se preparam para participar na Techtextil North America de 28 a 30 de Março, o Observatório Têxtil analisa o comércio internacional de tecidos impregnados, revestidos e estratificados lusos. De acordo com a informação disponível as exportações deste tipo de artigos tem contribuído para atenuar a contracção das exportações da Indústria Têxtil e do Vestuário (ITV). Em 2004 as exportações deste tipo de tecidos com aplicação a diferentes sectores, como o automóvel, o vestuário, a medicina e até a construção civil, ascenderam a 91,2 milhões de euros correspondendo a um crescimento de 5,0% face a 2003. Esta tendência de crescimento acentuou-se em 2005. Segundo os dados provisórios as exportações de tecidos impregnados, revestidos e estratificados aumentaram 8,5% no ano que passou que compara com uma queda das exportações totais da ITV de 6,7%. Note-se que este tipo de tecidos é um dos sectores mais representativos dos têxteis técnicos portugueses. O mercado intra-comunitário absorve 77,4% das vendas totais ao exterior, com destaque para a Alemanha que por si só consome 32,8% das exportações deste tipo de artigos. Segue-se a Espanha com um peso relativo de 14,6%. Nos mercados extra-comunitários merecem destaque os EUA que importaram 8,2% das vendas totais ocupando a terceira posição do ranking dos principais mercados de destino das exportações nacionais. Refira-se o aumento da representatividade dos EUA nas exportações nacionais é um fenómeno recente. Em 1994 este mercado absorvia 0,1% das exportações totais. Só em 2004, as exportações para os EUA aumentaram 13,6%. Por fim, no que respeita às importações desta categoria de produtos, os dados do Observatório Têxtil apontam para um volume importado de 15,8 mil toneladas a que corresponde um valor total de 153,2 milhões de euros. Contrariamente às exportações, as importações tem evidenciado uma tendência descendente uma vez que em 2004 caíram 2,7% reflectindo a contracção de 12,1% dos fluxos de Espanha (principal mercado de origem das importações nacionais). Entre os principais mercados de origem das importações nacionais destacam-se também a Alemanha e a França com quotas de 17,9% e 17,4% nas entradas totais. De referir que em 2005 acentuou a tendência descendente das importações de tecidos impregnados, revestidos e estratificados sendo estimada uma queda de 20,1% nas entradas totais. Esta análise é apresentada em ficha informativa disponível no PortugalTêxtil.com