Portugal e Hong Kong vestem dinamarqueses

O mercado dinamarquês importou, em 2000, 77,9 milhões de euros de camisas para homem, significativa superior (+19,8%) ao registado no ano anterior. Esta evolução em valor foi acompanhada por um crescimento a taxa inferior do volume, pelo que o preço médio de importação cresceu, fixando-se em 10,2 euros/peça. Hong Kong é o principal fornecedor da Dinamarca no âmbito destes produtos, conquistando uma quota de 18,8%, ou seja, 1,8 p.p. abaixo do obtido em 1999. Portugal ocupa a segunda posição no ranking, tendo exportado um total de 11,5 milhões de euros de camisas, correspondendo a 14,8% das importações dinamarquesas deste tipo de produtos. As transacções nacionais cresceram 21,9% face a 1999, permitindo aumentar o peso relativo nas importações deste mercado escandinavo. Este crescimento foi superior ao evidenciado pelos produtos provenientes de Hong Kong, provocando uma maior aproximação das posições relativas dos dois principais fornecedores. Contudo, o preço médio de exportação dos produtos nacionais para a Dinamarca é bastante superior ao dos artigos provenientes de Hong Kong, o que induz que a produção nacional detém um maior valor acrescentado. Efectivamente, o preço médio das exportações daquele país asiático corresponde metade do preço médio nacional. No cômputo geral do Comércio Bilateral entre Portugal e Dinamarca, regista-se que a Balança Comercial foi favorável a Portugal até 1999, mas em 2000 registou-se um défice, que veio na sequência de uma tendência decrescente do superavit, desde 1998. O período disponível de 2001 mostra a manutenção do saldo negativo. O estudo poderá ser consultado no site do Portugaltextil, na secção de Estudos.