Planeamento do espaço é decisivo para o retalho

O planeamento do espaço não é propriamente um conceito novo, mas as suas aplicações, assim como os benefícios para retalhistas e empresas de vestuário continuam a evoluir. O futuro vai trazer uma nova perspectiva das ferramentas de organização do espaço, focando uma maior atenção na colaboração sob uma perspectiva que a indústria ainda não viu no passado. Prevê-se a existência de mais retalhistas e produtores a adoptarem a tecnologia como parte integral do ciclo de vida dos artigos, à medida que as empresas continuam a limitar os custos e a enfatizar a eficiência e a eficácia das operações. «A utilização do espaço tem um impacto significativo sobre o lucro dos retalhistas. Os bens imóveis e os recursos humanos são caros e escassos. O planeamento do espaço encontra-se relacionado com os dois. Encontra-se também no âmago do planeamento da mercadoria na medida em que concretiza a apresentação dos artigos ao consumidor», refere Cynthia L. Renfrow, directora do SAS Institute Inc. «Quando o planeamento da colecção é analisado como parte do ciclo de vida na gestão da mercadoria, e sendo capaz de aliar as oportunidades do espaço comercial com este processo iterativo, o retalhista consegue acompanhar e analisar o desempenho do inventário», acrescenta Renfrow. Crescimento na colaboração Tal como acontece com diversas soluções tecnológicas, uma fonte de potencial crescimento e maior eficiência encontra-se na colaboração, ou seja, na capacidade dos retalhistas trabalharem com as suas lojas e fornecedores nas decisões associadas à organização do espaço comercial. A colaboração conta ainda com o apoio da capacidade de integrar agrupamentos inteligentes no processo de planeamento da mercadoria. Esta medida permite que o planeamento de colecções seja realizado ao nível dos agrupamentos de artigos na loja. O processo tradicional de planeamento do espaço de forma centralizada está a evoluir. As lojas passaram a ter um papel mais importante do que serem apenas agentes de execução. As lojas passaram a ter um papel crítico no processo de colaboração. «Nas superfícies de retalho com diferentes espaços, diferentes instalações, variações de produtos, entre outros, deparamo-nos com questões como: qual a dimensão do espaço de que dispomos, qual o tipo de espaço que possuímos, quantas opções podem ser apresentadas, quais os volumes destas ofertas que podem estar disponíveis?», refere Colin Porter, director da cadeia de fornecimento para a House of Fraser. De acordo com Porter, «antigamente, a área disponível e as transposições eram estimadas manualmente e eram geralmente ignoradas devido à sua falta de exactidão». No esforço de avaliar diferentes planos e o seu impacto no desempenho financeiro, a empresa implementou a solução Smart VM da Torex Retail. «Reuníamo-nos com clientes, analisávamos a informação e apresentávamos ideias sobre como gerir as mercadorias», acrescentou Phil Hill, controlador da gestão visual das mercadorias na House of Fraser. «No entanto, nunca sabíamos se todo aquele produto caberia em cada loja. Este foi também o caso das equipas visuais que tinham de prever como um comprador queria a sua gama de produtos interpretada no interior da loja». Proposta de melhor produto A nova ferramenta permite ao retalhista trazer informação de uma variedade de planos financeiros para uma base de dados única que facilita a disposição dos produtos, instalações, etc., de forma a maximizar a apresentação e a distribuição dos produtos dentro do espaço comercial disponível. «O objectivo final é conseguir a melhor proposta de produto para os nossos clientes e ajudar a fomentar as vendas e os lucros com base nessa proposta», refere Porter. «Em termos de processos, a solução do Torex Retail VM entra imediatamente no início, quando estamos a planear a área nas nossas lojas. Depois acompanha o processo para quais as instalações que possuímos, onde e como variam em termos das diferentes áreas no interior da loja, independentemente de serem lojas grandes, médias ou de pequena dimensão». De acordo com Renfrow, soluções de planeamento do espaço como a da Torex abrem novas oportunidades para o planeamento inter-funcional com o objectivo de optimizar a penetração na área comercial. Por exemplo, os retalhistas passam a estar numa posição em que são capazes de pedir que determinados fornecedores embalem determinados artigos de forma a estarem prontos na prateleira, o que melhora a eficiência e fomenta o lucro. «No passado, os retalhistas expediam a mesma gama de artigos para todas as lojas. Muitas vezes as lojas possuem a mesma disposição e apresentação. Isto quando sabemos que as mercadorias não se vendem de forma igual em todas as lojas. O resultado são rebaixas demasiado frequentes, inventários excessivos e disposições ineficientes nas lojas … o que origina maiores custos de operação e a perda de accionistas», explica Renfrow. «Hoje em dia somos capazes de determinar o tipo de embalagem para as lojas de venda a retalho com antecedência, de forma a poder expedir a mercadoria directamente e com os tamanhos e as cores que o consumidor está a comprar em determinada loja». «Estamos a direccionar-nos para uma visão geral sobre como dispomos os artigos nas lojas para vender de forma mais eficaz os artigos de preço médio, ou as rebaixas planeadas com antecedência e que possuem determinados objectivos de lucro». Outro beneficio excitante para os retalhistas de vestuário é que apesar de ser possível ir ao pormenor de planear o espaço na prateleira, também se pode fazer algo designado por block planning, uma funcionalidade que permite ao retalhista olhar para uma determinada secção para determinar como utilizar o espaço da melhor forma ao nível macro ao longo de diversas categorias e secções. Através de simulação e análise, os responsáveis pelo planeamento podem determinar oportunidades no espaço no interior da loja, nomeadamente: onde aumentar a área para determinadas categorias, como maximizar o espaço das promoções, etc. Soluções de optimização «No entanto, a optimização nem sempre passa apenas por encontrar a melhor solução nos preços para determinados produtos», refere Renfrow. Os retalhistas podem realizar a sua análise com base nos padrões de movimentos na loja, margens, principais perdas, promoções e outras variáveis. «O planeamento do espaço é uma parte integral do planeamento das mercadorias, o objectivo é eliminar ao máximo possível a intervenção dos funcionários da loja. A tecnologia procura oportunidades para optimizar, depois a solução do negócio apresenta conhecimento e opções», explica Renfrow. As soluções de optimização apresentam perspectivas do negócio ao nível dos sistemas de transacção como gestão de inventários, reabastecimento, gestão do desempenho dos vendedores, gestão das encomendas de compra e ponto de venda. Os dados são extraídos dos sistemas de transacção e enviados para bases de dados inteligentes. É a partir destas bases de dados empresariais que o conhecimento empresarial é obtido. «Ao colaborar com os retalhistas no planeamento da procura, os benefícios do planeamento da pré-época para a execução durante a época ao nível das lojas são claros» refere Renfrow. «Trabalhar em conjunto com os vendedores significa uma execução mais apertada através do ciclo de vida dos artigos». «Não apenas se reduzem as devoluções, mas também se aumenta o envolvimento do fornecedor na gestão do inventário. Apesar do fornecedor estar sempre interessado em encomendas de volume, vai-se aperceber das oportunidades financeiras que a colaboração representa ao nível do planeamento do espaço e dos artigos como um todo. O lucro vai em breve sobrepor-se ao volume». Em conclusão, o planeamento do espaço está associado com o aumento da experiência do cliente. Quando possuímos um espaço que se encontra organizado de forma eficiente e eficaz, temos menos necessidade da intervenção dos funcionários da loja. Menos funcionários estão a manusear e a etiquetar os artigos, menos períodos de rebaixas são accionados e os níveis correctos de inventário estão a chegar à área comercial da loja. Os funcionários estão mais capazes de lidar com as questões associadas ao serviço a outros clientes e a gerar um ambiente mais Zen para as vendas, que no final do dia geram um sentido mais forte de lealdade entre os clientes.