Paris a meia-luz

Durante cinco dias, Paris foi o centro da criatividade em mais uma edição da Maison&Objet, a feira que reúne têxteis-lar, design, decoração e mobiliário num só espaço. Apesar de uma diminuição de 12% no número de visitantes, que se cifrou nos 75.755 (menos 11% para os visitantes internacionais e menos 13% para os franceses), a feira de Villepinte «conserva a sua posição de líder no mercado da casa e do design», segundo afirma a organização. Nesta edição, 32.043 visitantes vieram do estrangeiro, cerca de 42,3% da frequência total da Maison&Objet. No top 10 dos visitantes segue-se a Bélgica (9,1%), a Grã-Bretanha e a Alemanha (cerca de 8,5% cada um), depois o Japão (5,9%), a Suíça (5,8%), a Espanha (5%), a Holanda (4,7%), os EUA (3,4%) e a Rússia (2,7%). Para os organizadores, duas razões explicam esta redução de visitantes. Em primeiro lugar, o contexto económico mundial desfavorável, mas também a diminuição dos investimentos em viagens. Com efeito, os grandes compradores deslocaram-se à Maison&Objet com equipas mais pequenas e um tempo de visita mais reduzido. No entanto, para alguns expositores o balanço foi extremamente positivo. Foi o caso da portuguesa Jotabe que considerou esta edição da M&O «a nossa melhor de sempre», como afirmou Cristina Marvão, designer da empresa. Presente há quase uma década neste certame, nesta edição, a Jotabe apostou forte nas suas marcas próprias Innovar e Expolar. Para esta última, lançada há 25 anos, tratou-se de uma première na M&O. «Inicialmente vocacionada para o mercado interno, a Expolar atingiu hoje uma maturidade, em termos de oferta, com a inclusão da roupa de cama, que lhe permite também dar cartas ao nível internacional», explicou Cristina Marvão. No total, foram cerca de 3.000 os expositores que marcaram presença no salão parisiense, entre os quais estavam 65 empresas nacionais – Mundotêxtil, Coelima, Têxteis íris, Naturapura, Além dos produtos expostos, a feira investiu significativamente na apresentação de novas propostas. Foi o caso da exposição de fotografias de arquitectura e moda do emblemático estilista Karl Lagerfeld, escolhido como criador Maison&Objet 2009. Por outro lado, pela primeira vez, a manifestação Maison&Objet |projets| tornou-se bi-anual. Esta edição ficou também marcada pelo lançamento de um novo espaço – Esprit Studio –, dedicado ao universo da “primeira” casa dos jovens urbanos e pela primeira edição de Paris des Chefs, em colaboração com a Omnivore, que reuniu cerca de 500 pessoas em volta dos grandes nomes da gastronomia e do mundo da criação. Para a organização, o foco na inovação deu frutos: «esta exigência de criação permite apoiar os expositores e continuar a fazer de Paris um lugar essencial na oferta moda/casa, propondo aos mercados e aos compradores uma visão completa, transversal e internacional desta plataforma única», refere em comunicado. O próximo rendez-vous está já marcado para Setembro, entre os dias 4 e 8.