Países mediterrânicos defendem melhor acesso ao mercado comunitário

Os representantes dos países mediterrânicos e a Union Française des Industries de l’Habillement defendem o livre acesso ao mercado comunitário por parte dos artigos de vestuário com origem nos países mediterrânicos, independentemente do país de origem do tecido utilizado. Esta posição surge em sequência da proposta apresentada pelo presidente do CEDITH (Cercle Euro-Mediterraneen des Dirigeants du Textile, de l’Habillement et des Industries de la Mode), Jean-François Limantour, no âmbito das Journées de l’Entreprise de l’IACE que decorreram na Tunísia durante o mês de Dezembro. Actualmente, o benefício do livre acesso ao mercado comunitário encontra-se limitado aos artigos de vestuário fabricados a partir de tecidos com origem na União Europeia, ou no país mediterrânico no qual os artigos de vestuário são fabricados. A única excepção a esta regra prende-se com a possibilidade dos confeccionadores marroquinos e tunisinos utilizarem tecidos com origem na Turquia para o fabrico do vestuário. De acordo com os participantes nas jornadas, este pedido, caso seja aprovado no âmbito Comissão Europeia, vai revitalizar o sector de vestuário mediterrânico e representará um novo fôlego à parceria euro-mediterrânica nos sectores têxtil e de vestuário.