O guarda-roupa da La Mamounia

Apresentada em fevereiro pela dupla Carolina Costa e Cátia Fernandes, a La Mamounia acredita ter na sua coleção os coordenados-chave do guarda-roupa feminino. O vasto leque de produtos da marca tem nacionalidade portuguesa, mas já só pensa em acumular milhas nas feiras internacionais.

A ideia que hoje se materializa num showroom em Guimarães e numa considerável lista de revendedores partiu das duas amigas, desafiadas pelos seus pares a aventurarem-se num projeto próprio.

Apaixonadas por moda e tendências, Carolina Costa e Cátia Fernandes decidiram dar o próximo passo, envolvendo-se num projeto que há muito era tema de conversa.

Em fevereiro nascia a La Mamounia, marca de vestuário que, enumerando, oferece calças, camisolas, tops, bodies, camisas, vestidos e casacos.

«O mercado encontra-se em constante mudança, torna-se essencial atingir todos os consumidores e apresentar coleções vastas e foi essencialmente nisto que nos baseamos ao criar esta coleção», explica Cátia Fernandes ao Portugal Têxtil sobre a oferta da marca.

Na coleção outono-inverno da La Mamounia, os materiais privilegiam o conforto e, por isso, há malhas, crepes, pelos e peles, que completam coordenados de mulheres urbanas com nuances de irreverência – por vezes emprestadas pelos acessórios.

A jovem marca divide depois os artigos em duas linhas, a básica e a premium, categorização que se reflete também no leque de preços.

Na linha básica os preços variam entre os 70 e os 250 euros e na linha premium, que apresenta essencialmente casacos de pelo e pele, os preços que podem atingir os 1.200 euros.

Todas as peças são produzidas no norte do país, «porque a região é reconhecida pela sua indústria têxtil e porque permite assistir de perto a todo o processo de produção dos artigos», destaca Cátia Fernandes.

Excluindo a fase de seleção das peças que vão dar corpo às coleções, as duas jovens empreendedoras desempenham papéis distintos dentro da marca. Cátia Fernandes é responsável por todo o processo de produção e Carolina Costa pela parte comercial e financeira.

«Relativamente ao desenvolvimento da coleção, contamos com uma designer, e toda a seleção da mesma é feita por nós as três. É importante neste âmbito haver uma conjugação de ideias e aí trabalhamos todas juntas de forma a decidir o que é mais viável introduzir no mercado», completa Cátia Fernandes.

Contrariamente à maioria das jovens marcas, a La Mamounia não vende online, acreditando que a revenda é a melhor aposta para o arranque.

As propostas da marca estão, por isso, disponíveis em lojas nas cidades do Porto, Guimarães, Póvoa de Varzim, Fafe e Felgueiras, entre outras.

Considerando o feedback das linhas da marca, as cofundadoras da La Mamounia não excluem a hipótese de abertura de outros showrooms «se as condições de mercado assim o definirem». «Os pontos de venda são cruciais para se dar a conhecer toda a essência de uma coleção a um potencial cliente», acredita Cátia Fernandes.

Para o futuro, as prioridades da La Mamounia passam pela implementação sólida no mercado nacional e pela internacionalização, sendo que a aventura além-fronteiras já se encontra em fase de desenvolvimento.

«Iremos expor em janeiro de 2017 em feiras como a Momad, em Madrid, e a [Première Vision] Manufacturing, em Paris, onde apresentaremos a coleção de outono-inverno 2017/2018», adianta Carolina Costa ao Portugal Têxtil.