O futuro da moda é desportivo»

«O futuro da moda é desportivo»- esta afirmação foi proferida pelo designer tão apaixonado pelo futebol, Dirk Bikkembergs, nos anos 90. Nas suas colecções quase tudo se resume ao look desportivo, futebol e função. O desporto como fonte de inspiração para a moda. De repente todos passaram a querer usar sapatilhas, quer seja com jeans, fato ou saia. A influência do desporto no mundo da moda é inegável. Estrelas de futebol como Beckham e Ballack impõem tendências seguidas por muitos. O desporto é rei. Entre a paixão por sapatilhas e por vestuário desportivo retro surge, entre o desporto e a moda, um novo segmento de mercado. Yohij Yamamoto e Stella McCartney para a Adidas, Neil Barret e Alexander McQueen para a Puma são apenas alguns dos exemplos de designers que, com a sua assinatura, ajudaram marcas desportivas a criar um estilo de vidaatraente aos olhos demuitos, e como tal bem recebido pelo comércio. Marcas com algum cariz desportivo como a Murphy & Nye, Napapijri, North Sails e Henri Loyd facilitaram a abertura do comércio a outros congéneres. As colecções com um maior mix de produtos levaram ao aparecimento de novas plataformas. Os produtores de desporto apresentam as suas ofertas em feiras de moda como a Bread & butter ao mesmo tempo que os compradores de moda descobriram as feiras de desporto. Ispovision A feira de artigos de desportivo de Munique “agarrou” esta movimentação e com a Ispovision estabeleceu um conceito de estilo de vida cujo significado tem vindo a crescer, sendo Julho o mês da sexta edição. Tobias Gröber, director do grupo Ispo, está convencido que se trata de uma feira com estilo. «A Ispovision não é apenas uma nova feira, mas sim uma plataforma de comunicação e de negócio para um novo estilo de vida. Este conceito é coroado com o “Global Sportstyle Award”, “Ispovison Infield” e a “GQ Style Night”». Marcas como a Bogner, Matador ou Sportalm aderiram energeticamente desde o início a estes projectos. A Ispovision oferece uma perspectiva única sobre a grande abrangência destes segmentos. O conceito é muito bem acolhido, sobretudo por comerciantes estrangeiros, que em Fevereiro último estiveram na feira em grande número (ver notícia do Portugal Têxtil). Para além de expositores já habituais como a Bogner, Bogner Fire + Ice, Casall e Sportalm, a Ispovision Verão vai poder contar com a presença de marcas como a Body Talk, Geox, Pierre Cardin Sport, Rhönisch Sportswear, Seafolly, Luis Trenker, Keen Fottwear e Medico. Presentemente, a edição de Inverno é mais importante do que a de Verão, talvez porque as colecções dessa época tenham elementos que podem mais facialmente ser usados fora do recinto desportivo, como casacos com penas e sobretudos. No Verão a situação torna-se um pouco mais difícil e para contrabalançar a Bogner vai lançar para o Verão de 2007 uma colecção de streetwear. A marca desportiva Luis Trenker vai participar na Ispovision pela quarta vez. O detentor e director da marca, Michi Klemera, afirma que «na Ispovision alcançamos clientes de moda que investem mais numa orientação desportiva». A marca optou mesmo pela Ispovison em detrimento da Bread & butter Berlim e Barcelona. Após a participação nas últimas três edições da Ispovision a marca duplicou a sua carteira de clientes e também o seu volume de negócios. Alguns dos visitantes afirmam que a «a Ispovison é uma versão mais fashion da Ispo. As marcas presentes permitem ter uma boa noção sobre o tema sportstyle. Mais próximo do comércio de moda Como se desenvolverá no futuro o segmento estilo desportivo? A tendência parece ser para uma aproximação cada vez maior à moda e não ao amplo comércio de desporto. É obvio que as superfícies que vendem vestuário de homem e senhora apostam cada vez mais em vestuário e marcas desportivas. Contudo, é importante considerar o factor já anteriormente referido e que se prende com a época do ano. O Inverno é mais propício para vendas neste segmento, basta mencionar os desportos de neve com artigos que podem facialmente ser usados extra prática desportiva. O Verão poderá talvez ser compensado através do golf ou da vela, embora estes sejam desportos mais elitistas. A Taça América 2007 pode trazer vantagens para as marcas mais ligadas à vela como a Norht Sails e Murphy & Nye. Em todo o caso, do desporto, tal como demonstram os vários exemplos, sopra um vento muito favorável para o volume de negócios.