Novos têxteis para construções de futuro

A Plataforma Tecnológica Europeia aponta como uma das suas cinco áreas de inovação para a competitividade industrial e o crescimento da indústria têxtil e de vestuário europeia o ambiente habitacional, incluindo novas soluções de construção (ver notícia do Portugal Têxtil). Deste modo, não surpreende o interesse despertado pelas experiências levadas a cabo nas belas paragens suíças naquela que é considerada como a primeira instalação europeia de painéis luminosos de aerogel translúcido Nanogel utilizados num recinto desportivo de uma escola de Buchwiesen, nos arredores de Zurique. Os últimos testes de performance confirmam os dados iniciais estimados pelo arquitecto do projecto, Arnold Amsler, demonstrando uma distribuição uniforme de luz com brilho consistente e capacidade para manter condições climáticas confortáveis quer durante as escaldantes temperaturas estivais quer sob o glacial frio do Inverno. Estes painéis constituídos por elementos de construção translúcidos de poliéster Scobatherm incorporam aerogel de sílica hidrofóbico Nanogel e foram instalados no tecto e numa das fachadas do recinto desportivo. Uma difusão uniforme da luz era um dos requisitos chave do projecto de construção, e Amsler ficou impressionado pelo potencial dos elementos de construção Scobatherm para maximizar os benefícios da luz do dia. Por seu lado, as autoridades camarárias da cidade mostraram-se agradavelmente surpreendidas com os benefícios em termos de isolamento térmico do Scobatherm relativamente ao seu potencial em economia de custos e de energia. O projecto de construção especificava um valor entre 0,03 e 0,05 para o parâmetro cociente de luz diurna. Este valor é difícil de obter numa elevação longitudinal de um salão com um parâmetro de fenestração normal. Apesar da área ocupada estar localizada abaixo do nível do solo, os painéis de Nanogel permitem que este cociente de luz diurna preencha toda a superfície do recinto de Buchwiesen. Com efeito, o quociente de luz diurna foi inclusive superado na área central. As fotografias do edifício ilustram uma distribuição de luz muito regular. As medições de brilho marcadas na foto (tirada num dia ensolarado sem nuvens) situam-se todas numa área similar da sua superfície de jogo, tecto e parede de fundo em concreto. Isto demonstra condições favoráveis para as actividades praticadas longitudinalmente. As condições de luz são ligeiramente menos favoráveis para os jogos praticados transversalmente por causa de áreas mais sombrias ao longo das paredes longitudinais. No entanto, estas condições luminosas encontram-se ainda dentro de um confortável intervalo. As medições de brilho obtidas durante o mesmo período num edifício desportivo convencional em Winterthur revelaram uma variação considerável, apresentando contrastes que produzem clarões nos utilizadores do recinto. O clima do recinto de Buchwiesen durante os meses de Verão constituía a maior incerteza deste projecto. Esta apreensão foi parcialmente reduzida pelo posicionamento do edifício de forma a receber a mínima luz solar directa possível, e quando esta estivesse presente, que fosse a um ângulo pequeno. A combinação da ventilação nocturna do recinto com as janelas abertas durante cerca de 40% do dia gerou somente um acréscimo de temperatura de 2 a 4 ºC em relação às temperaturas exteriores. Quando as janelas permaneceram abertas durante todo o dia, a temperatura interna foi sempre inferior, em média, de 4 ºC relativamente ao exterior. A temperatura máxima no recinto foi atingida às 17h, uma hora fora do horário escolar. As medições da temperatura foram efectuadas durante 10 dias de Julho, quando o recinto não era usado e com temperaturas exteriores de 30 a 35ºC. Os testes demonstraram que se poderia obter uma melhoria marcante nas condições climáticas no Verão com a optimização a ventilação. Mesmo durante o pico exterior de 33 ºC, os utilizadores do recinto poderiam usufrui-lo durante horas a temperaturas inferiores a 26 ºC. Apesar dos excelentes resultados, Arnold Amsler acredita que ainda são possíveis melhorias nos níveis de conforto e nas condições de operação, requerendo para tal apenas uma simulação mais profunda em termos de posicionamento do edifício e do seu design, mais a modificação, se possível, do parâmetro U (calor latente) dos elementos de construção Scobatherm.