Nova Acetato em Portugal

A marca portuguesa Acetato está a ser relançada pelas mãos da Brands Unlimited, uma empresa de capitais nacionais que decidiu investir na renovação da sua colecção e da sua rede de retalho, tendo acabado de abrir uma loja nova no Serra Shopping, um centro comercial na Covilhã, e anunciado abrir em Março uma outra, também num centro comercial, desta vez no Seixal.

 

A aposta numa loja de rua ou num centro comercial está a ser vista caso a caso, consoante o modelo mais rentável na cidade onde interessa investir. A Acetato tem actualmente quatro lojas no comércio de rua – em Lisboa, Ovar, Caldas da Rainha e Setúbal -, e em três centros comerciais do grande Porto – no Norte Shopping, Arrábida e Gaia Shopping.

 

Nuno Cunha e Silva, administrador da empresa, retrata ao Jornal Têxtil (JT) esta dicotomia do investimento no retalho em Portugal. No comércio de rua, percebe-se que a baixa das grandes cidades será sempre a considerar: «Lisboa é obviamente um local com elevado interesse comercial, e como tal, estamos presentes na Rua Augusta. A Rua de Santa Catarina, na baixa do Porto, por exemplo, também tem muito interesse, mas não temos aí nenhuma loja pelos elevados preços de trespasse que lá são praticados, assim como em Braga, que tem possibilidades de loja de rua muito interessantes mas com preços tão elevados (cerca de 10 mil euros por mês) que é difícil assegurar o retorno desse significativo investimento. E depois temos uma interessante estrutura de negócio nas cidades mais pequenas. A loja de Setúbal também é uma loja de sucesso, que se situa numa zona histórica, mas recorde-se que é uma cidade onde não existe um centro comercial. Ovar também tem um pequeno centro urbano de comércio que tem dado muito bons resultados, assim como é interessante o fortíssimo centro urbano das Caldas da Rainha, onde temos a maior loja da Acetato, com 450 m2».

 

Cunha e Silva acrescenta que «temos tido sucesso nas lojas de rua das cidades onde apostámos, mas nas cidades onde os centros comerciais estão bem posicionados, esses investimentos podem revelar-se muito promissores, pois embora as rendas sejam muito elevadas, prevê-se um retorno desse investimento». É o caso das duas novas lojas. A loja nova no Serra Shopping iniciou também um novo conceito, com uma nova arquitectura e um novo lay-out, que a empresa quer ir «exportando» para as outras lojas paulatinamente.

O modelo da loja própria é o eleito, pois «as nossas colecções tentam conjugar a componente clássica com as cores da moda, e a nossa força está no binómio da qualidade ao melhor preço possível, o que não é compatível com o conceito de franchising».

 

O reforço da rede de lojas Acetato envolve também passar a fronteira, depois de se ter atingido o que Nuno Cunha e Silva define como a dimensão mínima de lojas em Portugal. «Comprámos a marca (que já tem dez anos) apenas há seis meses e queremos primeiro consolidar este investimento a nível nacional, mas quando tivermos 15 lojas vamos começar a equacionar a internacionalização», que se processará «primeiro para o mercado espanhol». «Em Espanha vamos começar pelas localidades mais perto do norte do país, pela Galiza, desta vez já a apostar mais no modelo de loja de rua» acrescenta o administrador ao JT.

Embora confirme que «ainda é cedo para vermos resultados destas primeiras colecções, pois vamos apresentar agora as primeiras para a estação Primavera/Verão e Outono/Inverno do próximo ano», o administrador prevê que «o volume de negócios será de 5 milhões de euros, ainda sem os efeitos das novas lojas, mas cremos que no ano que vem este indicador será de 7,5 milhões».

 

Nuno Cunha e Silva detém 40% da Brands Unlimited, e outros 40% são detidos por Joaquim Cardoso, ex-administrador da Maconde e actual mentor da reestruturação do departamento têxtil e de calçado dos hipermercados Feira Nova, com a posterior abertura de boutiques, de 11 lojas nas galerias da Jerónimo Martins e do lançamento da insígnia Code. Os restantes 20% são detidos por um colaborador de Joaquim Cardoso dos tempos da Maconde – Joel Faria -, e por um ex-quadro da Sonae, especialista em retalho – Luis Miguel Correia. A Acetato envolve actualmente uma equipa de seis pessoas, e coloca 80% da produção da marca em empresas nacionais.