No reino da formação

Mais de 1.500 empresas britânicas do sector têxtil e moda vão beneficiar de apoios para suplantar falhas de competências e desenvolver os recursos humanos, através de apoios governamentais na ordem dos 42,5 milhões de dólares. Uma característica fundamental do novo acordo para os próximos três anos é que não só apoia os postos de trabalho menos qualificados, mas pretende também colmatar as lacunas de nível superior em Áreas como a concepção, produção e manutenção. O sector têxtil e moda, que contribui anualmente com cerca de 10 mil milhões de libras esterlinas para a economia do Reino Unido, vai necessitar de recrutar um número estimado em 34.000 novos trabalhadores ao longo dos próximos cinco anos. As actuais 79.000 empresas sectoriais devem desenvolver as competências dos seus efectivos existentes para competir com sucesso em nichos de mercado como as marcas de vestuÁrio e acessórios de luxo e o desenvolvimento de têxteis técnicos. O novo acordo foi concebido para apoiar a indústria têxtil e de vestuÁrio (ITV) do Reino Unido no desenvolvimento de competências que permitam sustentar uma vantagem competitiva. O acordo foi negociado pelo Skillfast-UK, o Sector Skills Council para a moda e os têxteis. Linda Florance, directora executiva do Skillfast-UK afirma que este acordo representa um aumento dramÁtico no apoio governamental para as competências da ITV mas, mais importante, coloca o investimento onde ele pode realmente marcar a diferença», acrescentando que os nossos dados mostram que o erÁrio público investiu 110 milhões de libras na formação para este sector, mas apenas 1 milhão deste montante foi destinado a formação no local de trabalho – que é a formação que os empregadores consideram ser mais eficaz». O financiamento serÁ usado para apoiar a formação para a qualificação de base, ao nível técnico e de gestão. Comentando o anúncio, Peter Davis, director de produção da Loakes Brothers, empresa inglesa de calçado, refere que como produtor de calçado inglês tradicional, competimos com fabricantes de todo o mundo. Como não podemos competir com base no preço com os produtores de baixo custo em mercados com baixo custo de mão-de-obra, temos que vender qualidade. Isso significa que a formação é essencial. Apoiamos qualquer iniciativa para aumentar as competências na indústria. Por isso, se este novo acordo pode alargar o número de empresas que oferece formação ao seu pessoal, bem como o número de empregados qualificados, então trata-se de uma grande notícia para o sector». A tinta ainda estÁ a secar sobre o acordo, mas a Skillfast-UK espera encontrar-se com representantes do governo ainda antes do final deste ano para determinar a forma de obter o financiamento para as empresas.