Negócio com etiqueta

Pelo facto de serem mais pequenas e finas comparativamente às etiquetas EAS tradicionais, as etiquetas EP (Enhanced Performance) permitem proteger artigos mais pequenos até então difíceis de proteger, como produtos de beleza e saúde sem comprometer a embalagem e a marca. Esta ferramenta veio, segundo a Checkpoint Systems, revolucionar a forma como os fabricantes e retalhistas protegem os seus produtos, melhorando simultaneamente a sua disponibilidade nas prateleiras. Graças ao seu tamanho, as etiquetas EP são integradas mais facilmente no processo de fabrico, permitindo a etiquetagem na origem dos mais variados produtos. «Desta forma, chegam às lojas um maior número de produtos já com as etiquetas de segurança colocadas, reduzindo os custos em termos de recursos no ponto de venda», afirma Per Levin, presidente da Shrink Management Systems, da Checkpoint Systems. Testadas pela TUV Rheinland, uma organização global e independente que documenta a segurança e a qualidade de produtos, sistemas e serviços, as etiquetas EP permitem que os sistemas EAS tenham uma melhor detecção em comparação com as etiquetas de dimensões superiores com tecnologia standard. A performance destas etiquetas é ainda combinada com os sistemas EVOLVE EAS da Checkpoint, acarretando benefícios significativos adicionais aos retalhistas. De acordo com a empresa, o uso de antenas EVOLVE e a substituição de etiquetas standard 710 por etiquetas 710 EP, permite aos retalhistas melhorar em 60% a detecção e aumentar até 30% a largura entre as antenas, proporcionando assim corredores mais amplos. Este aumento de detecção resulta igualmente em menos perdas geradas pelo furto. «Com a implementação desta tecnologia inovadora, a Checkpoint deu um salto na detecção e nos níveis de desactivação das tags EAS», sublinha Per Levin. «As etiquetas EP da Checkpoint revolucionaram verdadeiramente a aplicação de etiquetas no ponto de fabrico e na protecção de produtos nas lojas. Estamos orgulhosos por termos desenvolvido uma solução que provocou um impacto significativo nos retalhistas mais bem sucedidos do mundo, incluindo algumas dos maiores retalhistas de vestuário», acrescenta o responsável. No que se refere à etiquetagem de produtos na loja, as etiquetas de tamanho mais reduzido podem ser colocadas em produtos de menores dimensões, como batons e pequenos cosméticos e permitem ocupar uma menor área da embalagem em comparação com as etiquetas tradicionais. Outra vantagem das etiquetas EP, referida por Levin, é o facto de não reactivarem após a saída do cliente da loja. De acordo com a política de sustentabilidade da Checkpoint relacionada com a redução de consumo de energia e desperdícios, o processo de produção das etiquetas EP implica a diminuição de uso de alumínio, menos papel e menos plástico do que as etiquetas standard. A substituição das etiquetas standard por etiquetas EP permite aos retalhistas reduzir o desperdício de materiais até 45 por cento.   «As etiquetas EP conseguiram um recorde de vendas em muito pouco tempo, quando os retalhistas e fabricantes abraçaram claramente esta inovação tecnológica. Esta ferramenta possibilita aos nossos clientes uma melhor performance sem alterarem a sua etiquetagem na origem e programas EAS. Servem como testemunho e são um resultado directo da preocupação da Checkpoint para com o desenvolvimento e a inovação», conclui Per Levin.