Mulheres compram menos mas mais caro

O número de compras desceu 0,6 por cento e o valor subiu 0,9 por cento. O mercado de vestuário para homem manteve-se relativamente estável. «Quando se compara o período de Agosto a Novembro de 2005 com o espaço de tempoqueinclui os meses deAgosto até Janeiro de 2006 verifica-se, no entanto, que o mercado desacelerou um pouco tanto em quantidade como em valor», afirma Ulla Ertelt da HML Modemarketing. Quatro vezes por ano esta empresa inquere homens e mulheres a partir dos 14 anos de idade de 1.400 agregados familiares relativamente às suas preferências na compra de vestuário e calçado. Os consumidores são depois distinguidos em três segmentos de mercado: superior, médio e acessível. O estudo abarca os meses entre Agosto de 2005 e Janeiro de 2006. Mulheres compram menos, mas mais caro O que significa isto precisamente? O mercado mais “forte” foi o de segmento médio, de acordo com Ulla Ertelt. O segmento de mercado que oferece preços mais acessíveis sofreu uma queda em termos de quantidade e valor, não tendo contribuído positivamente para o desenvolvimento do mercado a nível global. O mercado de segmento superior manteve-se estável, tendo também registado um ligeiro acréscimo em termos de valor. Nos meses de Dezembro e Janeiro o número de compras decaiu. Uma análise aos grupos de produtos mostra que as grandes vencedoras foram as saias, registando mesmo um aumento superior a 10 por cento em termos de valor. A segunda posição é ocupada pelos jeans. «A euforia já diminuiu um pouco, mas os resultados continuam a ser muito bons», afirma Ulla Ertelt. Surpreendentemente, também os vestidos registaram um desenvolvimento muito positivo, sobretudo no segmento de mercado mais acessível. Com a chegada do frio os grandes vencedores foram os pullovers e casacos de malha, registando uma subida em Dezembro e Janeiro. As diferenças entre a primeira metade da época (Agosto até Novembro) e de toda a época de Outono/Inverno (Agosto até Janeiro) foram menos significativas no vestuário de homem do que no de senhora. Os homens mostraram uma tendência ainda mais acentuada para comprarprivilegiando o valor. No geral o mercado subiu 1,4 por cento em termos de valor, enquanto em termos de quantidade a subida foi de apenas 0,3 por cento. O crescimento no mercado dos segmento médio e superior não foi tão forte como na primeira metade da época, embora ambos os segmentos tenham registado um aumento na quantidade e no valor. O mercado que oferece preços acessíveis voltou a perder observando-se nova descida em termos de valor, mas insuficiente para tornar os resultados negativos. «O vestuário formal não é bem sucedido neste segmento de mercado. Fatos, camisas e malhas voltaram a registar uma queda», afirma Ulla Ertelt. Estes artigos foram muito procurados no segmento superior. Os fatos foram neste segmento um motivo para gastar mais dinheiro. Os casacos registaram um crescimento significativo no segmento médio. No vestuário para homem os jeans mantiveram a sua popularidade, contudo, no segmento superior a procura diminuiu um pouco. O vestuário de senhora manteve o seu crescimento. O vestuário de criança foi comprado em mais quantidade (+1,9 por cento) emais caro(+ 3,1 por cento).