Mulher da Boss em queda

No primeiro trimestre do corrente ano, a Boss Woman continuou a ser o “problema” da casa de moda alemã Hugo Boss AG, com as vendas a caírem 17% para 9,7 milhões de euros. Por outro lado, a mais jovem linha da empresa, Hugo, viu as suas vendas aumentarem 25% para 31 milhões de euros. A marca masculina Boss registou um crescimento de 4% para 312 milhões de euros, enquanto as vendas para a marca Baldessarini desceram 8% para 6,5 milhões de euros. Sedeada em Metzingen, as vendas totais da Hugo Boss para o trimestre foram de 359 milhões de euros, mais 5% do que ano anterior. A forte actuação da empresa na Europa, onde as vendas aumentaram 7% para 262 milhões de euros, compensaram a tendência descendente dos Estados Unidos, onde as vendas diminuíram 12% para 57,8 milhões de euros. Segundo a Hugo Boss, a Alemanha é actualmente o mercado mais difícil para o grupo, com as vendas a descerem 2% para 87,9 milhões de euros. No entanto, a empresa acrescentou ainda, que esperam um aumento do volume de negócios para 2002 de 5% para 1,15 mil milhões de euros, e um lucro que esteja «pelo menos, ao nível do ano passado».