ModaLisboa pelo bem

Agendado para 7 a 10 de março, o evento de moda da capital, que nesta edição adotou como mote ModaLisboa For Good, começa com as Fast Talks, no MAAT, e termina com o desfile de Kolovrat no Pátio da Galé.

[©ModaLisboa]

«Fazer o bem enquanto resposta aos desafios da contemporaneidade, sim, mas também enquanto missão e intenção definitiva – ao design, à cidade, às pessoas, ao planeta. Esta será a espinha dorsal de todas as ações da 62ª Lisboa Fashion Week», explica a ModaLisboa em comunicado.

Tendo por base este princípio, a organização selecionou 18 nomes como símbolos das indústrias criativas ligadas às várias comunidades que constroem a ModaLisboa, desde a própria Eduarda Abbondanza, presidente da Associação ModaLisboa, passando por Catarina Furtado, a designer Ana Salazar, a maquilhadora Antónia Rosa, o responsável de bastidores Luís Pereira, o diretor de comunicação da APPICAPS, Paulo Gonçalves, até ao CEO da spin-off de biotecnologia KOD Bio, Ricardo Costa.

O primeiro dia da ModaLisboa, como habitualmente, será dedicado às Fast Talks, que nesta edição serão moderadas por Rui Maria Pêgo e terão lugar a partir das 17h no MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, na sala onde se encontra a obra Valkyrie Octopus, de Joana Vasconcelos.

Um primeiro momento será dedicado à discussão das «transformações sistémicas da moda nos últimos anos: o que mudou, o que melhorou e o que precisa ainda de ser alterado para a consolidação de uma indústria ágil, modernizada e capaz de verdadeiro impacto positivo», com intervenção de César Araújo, presidente da ANIVEC e CEO da Calvelex, Ana Duarte, designer e fundadora da DuarteHajime, e Mónica Seabra Mendes, diretora do programa de Gestão do Luxo da Católica Lisbon School of Business & Economics.

Um segundo momento, que será conduzido em inglês, contará com a contribuição da artista Joana Vasconcelos, Danilo Venturi, estratega de marca e diretor da IED Florence, e Sam Baron, designer de produto e interiores, e versará sobre a interseção entre moda, arte e trabalho artesanal e «as oportunidades deste cruzamento de disciplinas e os territórios emergentes que ainda estão por explorar», descreve a ModaLisboa.

«Os dois painéis foram desenhados enquanto resposta às temáticas mais relevantes do sistema de moda atual: as oportunidades de investimento concertado e sustentável, e a interseção entre moda e herança cultural», refere a organização. A entrada para as Fast Talks é gratuita, estando, contudo, sujeita a inscrição obrigatória, que pode ser feita online, até 4 de março.

[©ModaLisboa]
Os dias seguintes dividem-se essencialmente em desfiles entre o Pátio da Galé e a Praça do Comércio, com a apresentação das propostas de Luís Carvalho, Dino Alves, João Magalhães, Carlos Gil, Luís Buchinho, Ricardo Andrez, Gonçalo Peixoto, DuarteHajima, Béhen, Valentim Quaresma e Kolovrat, a que se juntam os novos talentos do Sangue Novo e apresentações das marcas Decenio, Buzina, Lion of Porches.

O calendário contempla ainda um espaço para a iniciativa It’s the Fit, Not the Brand, que promete apresentar «os candidatos a melhores jeans do mundo, sem marca, sem floreados e sem adornos» e para os designers ucranianos Darja Donezz, Omelia e Nadya Dzyak, que integram a Ukrainian Fashion Week, que não se realiza no seu país de origem desde o início da invasão russa.