Moda re- aumenta capacidade de reciclagem

A cooperativa, que tem três instalações, em Barcelona, Bilbau e Valência, vai abrir uma quarta unidade de 6.000 metros quadrados em Madrid e uma outra de 5.000 metros quadrados na Galiza.

[©Formació i Treball]

De acordo com a Modaes, que cita a confirmação do diretor-geral da cooperativa Moda re-, Albert Alberich, a quarta unidade de triagem estará operacional em 2024 e está instalada no bairro madrileno de Vallecas. A unidade, tal como as restantes detidas pela Moda re-, é gerida por empresas de cariz social criadas pela Cáritas. No caso específico da unidade de Madrid, será gerida pela Laborafit, a entidade sob a qual a Moda re- opera nessa região.

A cooperativa está a preparar a abertura de uma quinta unidade, a ser instalada na Galiza, com cerca de 5.000 metros quadrados de área. Deverá estar a operar no início do próximo ano e será gerida pela Arroupa. Os próximos passos passam por cobrir outras áreas de Espanha, embora sem planos definidos ainda, segundo o responsável.

Paralelamente a estas novas unidades, a Moda re- está a trabalhar na ampliação do centro de Barcelona, que será transferido para Sabadell, em Barcelona, irá triplicar a sua atual capacidade e irá acolher a nova empresa ThePostFiber, o novo projeto que junta, além da Moda re- a Textil Santanderina, a Hallotex e a Margasa.

As quatro empresas, que são sócias com quotas iguais, vão usar a unidade para instalar um processo, através do qual irão retirar os acessórios de vestuário pós-consumo, como fechos e botões, para que os têxteis possam ser submetidos a um processo de reciclagem química.

Até agora, a Moda re-, através da Formació i Treball, fazia esse processo de forma manual na sua unidade, onde recolhia, classificava e reciclava vestuário. A empresa também conta com duas outras unidades em Bilbao e Valencia.

O primeiro passo da cadeia de valor da Moda re-, contudo, baseia-se na reutilização de parte do vestuário que recolhe, sublinha a Modaes, adiantando que o mesmo é proveniente de contentores de doação, mas também de lojas de grupos de retalho como a Inditex, Mango, Decathlon e Tendam. A empresa faz a seleção das peças e coloca-as na sua rede de 130 lojas e mais de 30 corners em Espanha.

Este ano, a Moda re- prevê aumentar a sua rede comercial para 200 pontos de venda e arrancar com o novo projeto Moda re- en ruta. Segundo Albert Alberich, a empresa criou um formato de loja dentro de um veículo que chegará a zonas pouco povoadas em Espanha, onde, tendo em conta o volume de negócios, não se justifica abrir uma loja, com o objetivo de aumentar a circularidade. O projeto, que já foi testado em Cáceres, vai expandir-se noutras zonas das Ilhas Baleares, na Catalunha e em Castilla la Mancha.

A Moda re-, uma cooperativa social que nasceu através da Cáritas e atualmente agrupa mais de 50 projetos têxteis, usa, há alguns anos, a tecnologia Fibersort, financiada pela Inditex, que permite identificar a composição das peças de vestuário, o que facilita a seleção das peças de vestuário, que são depois enviadas aos operadores com os quais colaboram para que sejam recicladas.