Moda no feminino

Sempre apreciei e segui a moda de Balenciaga, porque o guarda-roupa da minha família era repleto de criações dele», foi com esta inspiração que Carolina Herrera começou a sua carreira em 1981, seguindo atentamente os passos daquele que era um dos seu designers de moda preferidos. Simples e sofisticada, Herrera deixou a Venezuela, rumo a Nova Iorque há quarenta anos atrás, através do incentivo de Diane Vreeland, a lendária editora da Vogue norte-americana. «Decidi ir para Nova Iorque porque, na altura, aquela era uma das capitais mundiais da moda e investir no lançamento da minha marca própria criada para mulheres modernas que são independentes, que trabalham e que têm igualmente uma família», conta Carolina Herrera, que construiu um império na moda que inclui não só vestuário, mas também acessórios, bolsas e perfumes. Reconhecida como uma das mulheres mais elegantes do mundo, a estilista aposta sempre num estilo clássico. «Uma mulher deve sempre vestir-se com peças que lhe caiam bem e que combinem com a sua personalidade», aconselha a conceituada designer de moda que já vestiu celebridades como Reneé Zellweguer, Nicole Kidman e Caroline Kennedy. Para 2011, Carolina Herrera pretende concentrar-se na sua segunda linha, a CH, que lançou em 2001 e que visa conquistar um segmento de moda mais casual. «Gosto de luxo nas minhas colecções. Acredito que a simplicidade às vezes é cansativa. Na minha segunda colecção pretendo precisamente ajustar o luxo a linhas mais acessíveis», explica a estilista venezuelana que afirma que o segredo do seu sucesso reside sobretudo «na minha família, na paixão pelo trabalho e no facto de ter ao meu lado uma equipa maravilhosa e profissional».