Moda ao rubro no Rio

A Fashion Rio, a semana de moda do Rio de Janeiro, dividiu a passerelle entre a inspiração da arte do pintor francês Paul Gauguin e o iminente Campeonato do Mundo de Futebol que está a impregnar todo o Brasil, sem esquecer a moda balnear porque é conhecida. As referências à natureza impressionista de Gauguin surgiram nos estampados dos biquínis de corte brasileiro – minúsculos, bem cortados e justos ao corpo – da Salinas. A marca apresentou também tops com grandes decotes nas costas e outras peças para vestir fora da areia, onde predominam cores quentes e vivas, como o amarelo-torrado, o vermelho fogo, o coral e azul, assim como a clássica combinação preto e branco. Já o Mundial de Futebol levou à passarela carioca a estreia dos uniformes que irão usar os 14 mil voluntários que vão trabalhar nos estádios nos meses de junho e julho. Os uniformes, azuis com detalhes gráficos em amarelo, seguindo a linha dos logótipos oficiais do Mundial, foram exibidos num desfile com os ex-futebolistas Cafú e Belletti e com a apresentadora brasileira Fernanda Lima. Belletti, campeão mundial em 2002, que pisou uma passerelle pela primeira vez, afirmou que os voluntários «vão mostrar como o brasileiro é recetivo e carinhoso» e destacou que «acima de tudo, vão estar muito bem vestidos». Os uniformes dos voluntários revelam diferenças em função das sedes, uma vez que no sul do Brasil haverá um inverno com temperaturas frescas e no norte e nordeste os termómetros ultrapassam invariavelmente os 30ºC. Na moda balnear, a Osklen Praia revelou o resultado da parceria do estilista da marca, Oskar Metsavaht, com Alexia Niedzielski, editora da revista System e a italiana Bianca Brandolini, numa coleção inspirada pela Riviera Francesa onde predominaram modelos estruturados, geométricos e tradicionais de biquínis e fatos de banho. Nas cores, a combinação preto e branco marcou presença, complementada pelos tons fortes como azul, laranja, amarelo, rosa e verde. Já a coleção de Lenny Niemeyer, que encerrou esta 25.ª edição da Fashion Rio, foi beber inspiração à botânica – não só nas texturas das peças, nomeadamente das produzidas em elastano, como no próprio desfile, com o público separado por uma parede de vidro, a fazer lembrar uma espécie de estufa. Mas embora a “Cidade Maravilhosa” seja conhecida pela sua praia e paisagens, não vive só de moda balnear. Patrícia Viera, especialista em couro, foi a primeira designer a subir à passerelle e deu uma nova vida a este material, apostando numa espécie de renda e em acabamentos como tie-dye, metalizados e estampados e em misturas com crochet para a primavera-verão 2015. A Alessa, por seu lado, inspirou-se na arte e na arquitetura barroca, visível nos estampados digitais declinados em blusas e vestidos fluidos, saias e vestidos em renda e calças em neoprene, enquanto a Ausländer apresentou “Suburban Vintage”, com propostas onde o sportswear se mistura com elementos do mundo do desporto. No último dia da Fashion Rio, a Ellus 2nd Floor mostrou a sua coleção de verão inspirada na famosa estância balnear mexicana de Acapulco que privilegia o estilo de vida da mulher urbana. Apresentada na zona portuária do Rio de Janeiro e com seleção do designer Alexandre Herchcovitch, a coleção destacou as formas inspiradas na feminilidade e na voluptuosidade das “pin-ups”. Os estampados, característica da marca, exibiam as tradicionais caveiras da cultura mexicana, que simbolizam a vida e são o ícone das festas do Dia dos Mortes, assim como palmeiras agitadas pelo vento nos entardeceres mexicanos e grafismos característicos dos aztecas. Thiago Marcon, responsável pela coleção da marca para o verão 2015, explicou que os estampados constituíam a principal referência da coleção. «São a cereja em cima do bolo», sublinhou.