Miroglio de olhos em bico

Acelerar o seu desenvolvimento no sector do vestuÁrio e da distribuição sem todavia renegar as suas raízes têxteis é o actual objectivo da Miroglio. A empresa italiana, após um 2007 sob o signo da reorganização, aposta numa progressão de 10% do seu volume de negócios para o corrente ano. é um grande desafio, pelo qual vai ser necessÁrio empreender uma dura batalha», afirmou Giuseppe Miroglio, mostrando confiança. Em 2007, as vendas consolidadas da Miroglio ascenderam a mil milhões de euros, 300 milhões dos quais foram realizados com os fios e os tecidos estampados para vestuÁrio feminino. Para atingir os seus objectivos, a Miroglio e as suas grandes marcas – Elena Mirò, Motivi, Oltre e Fiorella Rubino – vão apostar nos mercados emergentes, em particular nos países do Leste da Europa, sem descurar a sua consolidação a Ocidente. O grupo italiano possui actualmente 1.300 pontos de venda espalhados pelo mundo. Em 2007, investiu 70 milhões de euros na extensão desta força de venda, tendo aberto 125 novas lojas. Este ano, deverÁ consagrar uma soma similar para inaugurar cerca de 150 lojas. A nossa fórmula evoluiu notavelmente ao longo dos últimos anos. Actualmente, quando possível, preferimos apostar em sucursais, o que nos permite controlar melhor o mercado», explicou o responsÁvel da Miroglio. Estes números não incluem as actividades levadas a cabo na China, onde estÁ presente desde 2004 através de uma joint-venture 50-50% com um parceiro local. Baptizada Elegant Prosper, esta empresa, que conta com 400 pontos de venda no mercado chinês, praticamente duplicou o seu volume de negócios no último ano, atingindo os 45 milhões de euros. A “descolagem” foi lenta, mas os números actuais são extremamente satisfatórios», revelou Giuseppe Miroglio, que aposta nesta parceria para introduzir progressivamente as suas marcas italianas no mercado chinês. A Elena Mirò possui actualmente 15 lojas e a Motivi, que se estreou recentemente, atingiu jÁ as cinco boutiques na China. A mesma abordagem serÁ utilizada para conquistar outros mercados com potencial: Consideramos que é a estratégia ideal. Em todo o caso, escolhemos parceiros que conheçam bem o mercado do vestuÁrio feminino no seu país. Isto permite-nos criar verdadeiras sinergias e enriquecer os nossos próprios conhecimentos», sustentou Giuseppe Miroglio. Actualmente, o grupo italiano estÁ em negociações para uma joint-venture na índia e acaba de estabelecer os primeiros contactos com o Brasil. Entretanto, a Miroglio prepara-se para anunciar a assinatura de um acordo na Turquia. Recentemente, o grupo cedeu uma grande parte das suas actividades têxteis na BulgÁria, nomeadamente fiações e uma tecelagem de lã que representavam um volume de negócios de 90 milhões de euros. O comprador destas actividades foi Edoardo Miroglio, primo de Giuseppe Miroglio e ex-administrador-delegado do grupo, que gere agora sozinho a Miroglio Bulgaria, embora conserve o seu lugar no conselho de administração do grupo.