Mind prepara lançamento do Feature Recognition

A tecnologia da empresa portuguesa, que usa inteligência artificial para reconhecer padrões e tornar o corte mais preciso, está finalizada e deverá ser lançada na nova grande versão do software da Mind, a nível internacional, em junho.

João Bernardo

Melhorias na interface e otimização dos processos fazem parte da versão final do Feature Recognition, a tecnologia da Mind que facilita o corte através da correspondência de elementos gráficos a moldes de uma peça de vestuário, garantindo maior precisão, qualidade e flexibilidade.

«O Feature Recognition é uma funcionalidade que vem na linha de outras que já tínhamos desenvolvido também para o sector da confeção, tais como o Pattern Matching e o Printed Cut. Enquanto, por exemplo, o Pattern Matching permite automatizar produções em tecidos de xadrez e de riscas, portanto, tecidos com padrões mais geométricos e mais convencionais, o Feature Recognition é a extensão desse conceito para tecidos com qualquer tipo de motivos – pássaros, flores, plantas, seja o que for –, o que torna, obviamente, a solução bastante mais abrangente», sublinha João Bernardo, CEO da empresa portuguesa.

«Há um ano, na altura da iTechStyle Summit, o Feature Recognition era ainda um projeto de inovação em execução. Hoje em dia, está uma primeira versão completa a ponto de já termos planeado introduzi-la na nossa nova versão de produto, a versão seis», anuncia.

O software «é totalmente desenvolvido de raiz pela Mind, uma empresa 100% portuguesa que opera em Portugal há mais de 25 anos», sublinha João Bernardo, e está a ser adotado por diversas empresas.

Em progresso estão outros desenvolvimentos, para já numa «fase ainda embrionária», revela o CEO da empresa, que está a envolvida em projetos inseridos no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), tanto na área do calçado, como da têxtil, nomeadamente o Texp@ct. «Há toda uma série de ideias que têm muito a ver com a utilização de novas tecnologias na área da realidade aumentada, na área da inteligência artificial, para, de certa forma, otimizar e potenciar soluções que já temos», indica. «Todos os anos fazemos questão de lançar o que designamos de uma grande versão, e, cada nova versão, inclui seguramente todo um conjunto de novidades», conclui o CEO da Mind.