Micam dá passos largos

Cerca de 36.623 profissionais marcaram presença na Micam, a feira de calçado de Milão organizada pela Associazione Nazionale Calzaturifici Italiani (Anci), entre 2 e 5 de Março. Um número praticamente estável em comparação com os 36.555 visitantes da edição de Março de 2009. «O número de visitantes deve ser interpretado tendo em conta o facto que, tanto os grandes grupos como as lojas independentes, reduziram o número médio de profissionais no evento, devido ao esforço de contenção de custos», explicou o presidente da Anci, Vito Artioli. «É por isso que os resultados são ainda mais positivos», sublinhou. «O sucesso desta edição confirma que, para os profissionais em todo o mundo, a Micam continua a ser um ponto de referência para o nosso sector», prosseguiu o presidente da Anci. «Acredito que isto é mérito do nosso formato de feira, que nunca se afastou de um critério selectivo de qualidade e da forte relação com o mercado, mas é também, e sobretudo, mérito das empresas que continuam a investir em investigação, tecnologia e design para apresentar produtos que são ainda mais ricos do ponto de vista de estilo e qualidade e, por isso, ainda mais competitivos». Na feira marcaram presença 1.597 expositores, 591 dos quais estrangeiros – 70 deles portugueses – com as colecções para o Outono-Inverno 2010/2011. «Estamos satisfeitos com os resultados da Micam que, acreditamos, podemos interpretar também como os primeiros sinais de uma aguardada recuperação», afirmou Artioli. Após algumas estações de abrandamento nas encomendas, os compradores que visitaram esta edição da Micam, para além de quererem ver as colecções, também demonstraram um interesse concreto e em muitos casos fizeram uma escolha ou mesmo encomendas na própria feira. «Para além disso, há dados muito positivos em relação à presença de compradores estrangeiros, sobretudo da área da Rússia, o que é absolutamente estratégico para nós», revelou o presidente da Anci. Do número total de visitantes, 18.936 eram estrangeiros, com a presença mais forte dos compradores espanhóis, seguidos dos franceses e alemães. Mas também visitantes da Rússia e de países da antiga União Soviética, assim como japoneses e americanos. «Estamos conscientes que a recuperação total está ainda longe e enfrenta diversas dificuldades, mas deixamos a Micam com um aumentado optimismo graças aos resultados positivos do evento», concluiu Vito Atioli.